Debate

Amazon abre 1ª loja sem caixa fora dos EUA; compras são feitas via QR code do celular

Redação Hypeness - 10/03/2021

O subúrbio do oeste londrino teve um vislumbre do futuro na manhã da última quinta-feira, quando a Amazon abriu sua primeira loja sem caixa na cidade.

Enquanto alguns achavam “mágico”, outros recorriam a palavrões enquanto lutavam para se ajustar a uma revolução nas compras de supermercado.

Com a inauguração, a Amazon expande sua loja de alimentos “sem contato” para fora dos Estados Unidos, com os clientes podendo entrar, escolher produtos da prateleira e sair sem fazer fila no caixa.

Os primeiros compradores da loja Amazon Fresh em Ealing – que deveriam ser os primeiros em uma onda de lojas de rua em toda a Grã-Bretanha do gigante do varejo – compartilharam sua alegria e inquietação com a novidade da experiência de pegar os produtos e simplesmente sair andando.

Depois de escanear um QR code ao entrar, as câmeras e a tecnologia de sensor de profundidade identificaram tudo o que os clientes colocaram em suas sacolas, sem a necessidade de escanear as compras.

Os clientes são cobrados automaticamente mais tarde por meio de um aplicativo da Amazon em seus telefones. Mas nem todos gostaram da vantagem.

Primeiros clientes

Um senhor idoso com uma bengala foi informado por um funcionário da Amazon na porta que ele teria que baixar um aplicativo e inserir os dados de seu cartão bancário. Saiu andando se negando participar da novidade.

Outros acharam a experiência estranha, mas emocionante. “Foi como mágica”, disse Philippa Dolphin, de 71 anos, que disse não ter nenhuma preocupação em se inscrever no sistema Amazon. “Senti que estava roubando coisas – roubando minha garrafa de vinho.”

Ela acrescentou: “Isso torna as compras tão rápidas e fáceis. É assustador, como é fácil. Porque faz você se perguntar como outras empresas vão acompanhar isso.”

Chris Griffin, que trabalha para o Museu de Marcas de Londres, fez uma viagem especial às compras em Ealing para experimentar a experiência “sem contato”.

“Este é o próximo estágio no futuro do varejo, então eu queria ver por mim mesmo”, disse o empresário de 63 anos. “Suponho que isso poderia tornar as compras mais impessoais. Mas a tecnologia era tão suave, tão fácil de usar. Acho que os supermercados terão que acompanhar isso.”

Do online para o offline

O supermercado do oeste de Londres é semelhante às 20 lojas Amazon Go que a empresa administra nos Estados Unidos, mas operará sob a marca Fresh que usa em suas operações de supermercado online no Reino Unido.

É surpreendente ver que cerca de um terço dos produtos nas prateleiras são embalados sob a marca própria do gigante das vendas online – chips Amazon, pizzas Amazon, curries Amazon e bolos Amazon – que foram adquiridos de fornecedores britânicos.

A empresa disse que sua tecnologia “just walk out” (simplesmente saia andando) usa “visão computacional, algoritmos de aprendizagem profunda e fusão de sensores” – mas insiste que as ferramentas de reconhecimento facial não fazem parte da maneira como o sistema rastreia os clientes pela loja.

Os defensores das liberdades civis têm preocupações, no entanto. “[Ele] oferece uma experiência de compra distópica e de vigilância total”, disse Silkie Carlo, do Big Brother Watch, à BBC.

“O rastreamento intenso de compradores pela Amazon criará pegadas de dados pessoais maiores do que qualquer outro varejista. Os clientes merecem saber como e por quem esses registros e análises podem ser usados.”

O especialista em varejo Harry Wallop, autor de Consumed, não acredita que muitas pessoas vão se assustar com as câmeras da Amazon e acha que seu modelo único, sem scanner e sem caixa tem o potencial de ser uma “virada de jogo” para compras de alimentos.

“Não envolve entregar mais dados do que qualquer outro aplicativo que você usa para comprar coisas, então acho que o número de pessoas com questões de privacidade será muito pequeno”, disse ele.

“Algumas pessoas podem ficar um pouco assustadas com as câmeras rastreando você, mas para a maioria das pessoas isso não é necessariamente diferente do CCTV.”

O especialista apontou que a Sainsbury’s já havia feito experiências com uma loja totalmente sem caixa no norte de Londres em 2019 – mas abandonou o modelo porque os clientes não gostavam de ter que escanear cada um de seus itens usando seus telefones.

“Os compradores acharam muito enigmático, muito parecido com trabalho duro. Isso pode mudar o jogo, porque as pessoas não precisam fazer nenhum trabalho.

Ainda sou um pouco cético sobre quanto tempo isso economiza para as pessoas. Mas teremos apenas que esperar e ver como as pessoas acharão conveniente.”

 

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.