Sustentabilidade

Cada nova unidade de fast-food aumenta o número de cardíacos, diz estudo

Vitor Paiva - 23/03/2021

O surgimento de novas lojas de fast-food é diretamente proporcional ao aumento na incidência de problemas cardíacos em determinada área: é o que confirma um estudo realizado por pesquisadores australianos e publicado na revista científica Internal medicine Journal.

Segundo a pesquisa, a abertura de uma nova lanchonete promove quatro casos de problemas cardiovasculares por ano para cada 100 mil pessoas na Austrália – em suma, uma loja de fast-food é fator de risco para ataques do coração.

Lanches de fast-food

A abertura de lojas de fast-food aumenta os casos de problemas cardíacos na região

-Preocupação com falta de dinheiro aumenta em até 13 vezes risco de infarto, aponta estudo

A pesquisa foi realizada por cientistas do Hunter Medical Research Institute (HMRI), da Universidade de Newcastle e da Hunter New England Health (HNE Health), na Austrália, e partiu de dados e casos referentes à região de Hunter-New England e em New South Wales.

A comparação se deu de forma direta, a partir do surgimento de novos restaurantes do tipo, e as variações nos dados de saúde das populações locais – a partir das informações médicas de 3.070 pessoas entre 1996 e 2013. A pesquisa considerou outros fatores de risco, como idade, peso, colesterol, pressão e alta e nível socioeconômico, mas a taxa permaneceu a mesma.

Jovem comendo lanche de fast-food

A pesquisa trabalhou com informações médicas e levantamentos comerciais em um espaço de 17 anos

Fast-food e coração 

-Estudo com 30 anos e 12 mil participantes diz que dieta vegana faz muito bem ao coração

“Até agora, havia poucos dados sobre a ligação entre a densidade de fast-foods e ataques cardíacos, então esses resultados devem fornecer uma consideração importante para futuras políticas de saúde pública e desenvolvimento comunitário”, afirmou Andrew Boyle, cardiologista no John Hunter Hospital e um dos autores do estudo, intitulado “O impacto da densidade de fast-food na incidência de infarto do miocárdio na região de Hunter”, em tradução livre.

Museu McDonald's, nos EUA

Museu do McDonald’s, nos EUA, simulando uma das primeiras lanchonetes da maior rede de restaurantes do mundo © Wikimedia Commons

-Coração artificial com tecnologia avançada será colocado à venda ainda em 2021

“O ataque cardíaco é uma das principais causas de morte em todo o mundo. No entanto, dados recentes sugerem que um número crescente de ataques cardíacos não pode ser explicado pelos fatores de risco conhecidos”, sublinhou Tarunpreet Saluja, pesquisador da Universidade de Newcastle e também autor do estudo, apontando a oferta de alimentos que provocam ou agravam quadros cardíacos como um desses fatores.

“Isso destaca a necessidade de explorar o papel da disponibilidade de alimentos na probabilidade de ter um ataque cardíaco, confirmou.

Lanches de fast-food

O consumo de carne por si já amplia o risco de problemas cardíacos

-A surreal inauguração do primeiro McDonald’s em Moscou nos anos 1990

Propagandas de fast-food banidas

O estudo se alinha a outras pesquisas que apontam, para além dos outros componentes que formam o fast-food, que o consumo de carne aumenta consideravelmente o risco de problemas no coração.

Não é por acaso, portanto, que diversos países começaram a proibir propagandas de restaurantes do ramo em determinados horários, ou baniram a abertura de lanchonetes próximas a escolas. A pesquisa australiana é, no entanto, ainda um estudo preliminar, e novas pesquisas se fazem necessárias para confirmar o apontamento.

Publicidade

© fotos: Getty Images/créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Nepal vê população de rinocerontes aumentar com queda de turismo por pandemia