Arte

Chadwick Boseman recebe indicação póstuma ao ‘Oscar’ por filme com Viola Davis

Vitor Paiva - 19/03/2021 | Atualizada em - 23/03/2021

Para o ‘Oscar’ de 2021, Chadwick Boseman será mais do que lembrado como uma das grandes perdas em Hollywood no ano que passou. O ator eternizado por ‘Pantera Negra’ será eternizado como indicado postumamente na categoria de Melhor Ator.

A indicação veio pelo filme ‘A Voz Suprema do Blues’, lançado pela Netflix no final de 2020 como último trabalho do  norte-americano. A produção, que ainda conta com Viola Davis no elenco, fez Boseman ser aclamado pela crítica e receber indicações diversas no ‘Globo de Ouro’ e no ‘Bafta’ – incluindo a mesma categoria de Melhor Ator.

O ator Chadwick Boseman

Chadwick Boseman tinha somente 43 anos quando faleceu, em 2020 © Getty Images

Atores criam bolsas estudo Pantera Negra com R$ 250 mil dólares de investimento

Esta é, lamentavelmente, é a primeira indicação ao ‘Oscar’ para Boseman, que faleceu em agosto do ano passado após quatro anos lutando contra um câncer colorretal. Além de Chadwick, ‘A Voz Suprema do Blues’ é estrelado por Viola Davis, que vive a cantora Ma Rainey, considerada a ‘mãe do blues‘, em um drama musical passado nos anos 1920.

Chadwick Boseman em cena de A Voz Suprema do Blues

O ator em cena de A Voz Suprema do Blues © reprodução

Chadwick interpreta o trompetista Levee, espécie de antagonista da personagem vivida por Davis. O longa é dirigido por George C. Wolfe e produzido por Denzel Washington, baseado em um espetáculo teatral de mesmo nome (em inglês a obra se chama ‘Ma Rainey’s Black Bottom’) lançada por August Wilson em 1984

Viola Davis como Ma Rainey em cena do filme A Voz Suprema do Blues

Viola Davis como Ma Rainey em cena do filme © reprodução

6 motivos que provam por que Viola Davis é um mulherão dentro e fora das telas

Além da indicação póstuma a Chadwick, ‘A Voz Suprema do Blues’ também foi indicada nas categorias Melhor Figurino, Melhor Design de Produção, Melhor Cabelo e Maquiagem e Melhor Atriz, coroando Viola Davis com sua quarta indicação – tornando-a a atriz negra com mais indicações ao ‘Oscar’ em todos os tempos. A atriz venceu o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante em 2017 por seu trabalho no filme ‘Um Limite Entre Nós’, e foi indicada pelos filmes ‘Dúvida’, de 2008, e ‘Histórias Cruzadas’, de 2011.

O impacto de Pantera Negra

Chadwick Boseman vinha de uma celebrada carreira de mais de 17 anos quando se tornou estrela internacional depois de estrelar ‘Pantera Negra’, primeiro filme de super-herói com um personagem principal negro e o primeiro da categoria a ser indicado ao ‘Oscar’ de Melhor Filme, em 2018 – e que viria a se tornar a terceira maior bilheteria da história.

Chadwick Boseman como Pantera Negra

Boseman como Pantera Negra © reprodução

Fotógrafo imagina a vida secreta de super-heróis famosos em série divertida

Ao aceitar o prêmio recebido postumamente pelo ator no ‘Globo de Ouro’, a viúva Taylor Simone Ledward discursou entre lágrimas. “Ele diria algo bonito, inspirador, que iria amplificar a pequena voz dentro de todos nós que diz ‘Você é capaz’, a voz que nos faz seguir, que faz você seguir no que deveria fazer nesse momento na história”, afirmou sobre Chadwick.

Viola Davis e Chadwick Boseman durante as filmagens de A Voz Suprema do Blues

Viola e Chadwick durante as filmagens de A Voz Suprema do Blues © divulgação

Oscar apresenta cardápio quase 100% vegetariano

Boseman é o oitavo ator a receber uma indicação póstuma ao ‘Oscar’, em lista que inclui James Dean e, mais recente, Heath Ledger, que venceu a categoria de Melhor Ator Coadjuvante por sua atuação como Coringa no filme ‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, de 2008. O ‘Oscar’ 2021 será a 93ª edição do prêmio, e acontecerá no dia 25 de abril.

Chadwick Boseman com um trompete em cena de A Voz Suprema do Blues

Boseman é o oitavo ator a receber uma indicação póstuma ao Oscar © reprodução

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.