Debate

Covid-19 matou 190% mais presos em 2021, mostra relatório do CNJ

Redação Hypeness - 11/03/2021

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) divulgou, nesta quinta-feira (11), um relatório que aponta um aumento de 190% nas mortes causadas pela covid-19 de presos e servidores do sistema prisional de todo o país apenas nos primeiros 67 dias 2021. Os números mostram um salto em relação ao ano passado, conforme matéria da Folha de São Paulo. 

O levantamento dá conta de que foram registradas 58 mortes em 2021, subindo, assim, para 308 o total de óbitos no sistema carcerário desde o início da pandemia. Entre o final de outubro e dezembro do ano passado, 20 pessoas morreram. No sistema socioeducativo, destinado a adolescentes, que também foi incluído no relatório da CNJ, houve mortes de servidores.

– Trabalhador que não se vacinar contra a covid-19 pode ser demitido por justa causa, diz MP 

Segundo a Folha, os únicos medicamento oferecidos para quase todos os tipos de queixas são paracetamol ou dipirona

Covid na prisão 

O levantamento aponta que, desde fevereiro do ano passado, 71.342 mil casos de covid-19 foram confirmados nas prisões e nas unidades socioeducativas. No sistema socioeducativo 1.629 adolescentes e 5.524 servidores contraíram a doença, já nas penitenciárias foram identificados 64.189 casos: 48.143 de pessoas presas e 16.046 de servidores, também de acordo com a Folha.

Apesar do Conselho Nacional de Justiça ter orientado os juízes para que penas sejam revertidas do regime fechado para a prisão domiciliar nos casos de presos do grupo de risco para a covid, muitos doentes e idosos continuam no sistema prisional.

– Homem é preso por tossir em policial que perguntou se ele tinha covid-19

A Folha mostrou ano passado que a principal reclamação feita pelos detentos a defensores públicos foi a de que o número de profissionais de saúde é insuficiente e que faltam medicamentos. Os presos disseram, de acordo com o jornal, que detentos chegam a morrer sem serem encaminhados para hospital ou UBS (Unidade Básica de Saúde). Na pandemia, a escolta para atendimento médico externo foi reduzida.

Casos de covid deram um salto em 2021 nas cadeias do Brasil

– Mulheres que se vestiram de idosas para tomar vacina contra a covid-19 correm risco de prisão

Superlotação, celas sem ventilação e iluminação, instalações sujas, racionamento de água, falta de colchões e de itens básicos, como roupa ou sabão foram outras reclamações dos presos indiretamente relacionadas a problemas de saúde.

Na oportunidade, o CNJ divulgou também um balanço dos testes para detecção de Covid-19 nos estabelecimentos do sistema prisional e no socioeducativo. Nas prisões, os testes foram aplicados 254.105 pessoas presas e em 66.199 servidores, além de outros 16.602 exames em unidades do estado do Ceará, que fez a distinção dos segmentos nos dados enviados. Já no sistema socioeducativo, 18.654 adolescentes, além de 23.067 servidores fizeram testagem para identificação da doença em estabelecimentos de 23 estados.

O CNJ informou que 25 estados comunicaram que adotaram a medida da destinação de verbas de penas pecuniárias para o combate à pandemia. O montante totaliza cerca de R$ 86 milhões, entre recursos estaduais e federais. 

Publicidade

Fotos: foto 1: Getty Images/foto 2: Marcello Casal Jr./EBC/Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.