Diversidade

Erika Hilton faz história e é 1ª mulher negra e trans à frente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara

Patrocinado por: Orgulho LGBTQIA+
31 • 03 • 2021 às 10:19
Atualizada em 05 • 04 • 2021 às 09:56
Redação Hypeness
Redação Hypeness Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

A vereadora mulher com mais votos na última eleição municipal, Erika Hilton (Psol) acaba de ser novamente eleita. Desta vez, por unanimidade, ela se torna presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Câmara de São Paulo. Assim, Erika se torna a primeira mulher negra a ocupar cargo de presidência de Comissão no parlamento paulista, bem como primeira pessoa trans a ocupar a presidência de uma Comissão.

Erika Hilton é eleita presidente da Comissão de Direitos Humanos na Câmara de SP

Erika Hilton é eleita presidente da Comissão de Direitos Humanos na Câmara de SP

Com ninguém menos que Eduardo Suplicy (PT) na vice-presidência do grupo, a comissão também é composta pelos vereadores Paulo Frange (PTB), Sidney Cruz (SOLIDARIEDADE) e Xexéu Tripoli (PSDB).

“Trabalharemos em projetos para minimizar o racismo em São Paulo. Para construir caminhos sólidos na luta antirracista a partir das instituições. A comissão pretende valorizar e aproximar os grupos que já atuam nessas frentes”, disse a vereadora à revista CartaCapital.

Na última semana, durante a primeira reunião da Comissão, Erika aprovou dois requerimentos de audiência pública. A primeira trata políticas de segurança alimentar na capital e a segunda fala sobre “os desafios das(os) trabalhadoras(es) do comércio ambulante”.

Erika Hilton

Erika Hilton foi a vereadora mulher mais votada nas eleições de São Paulo

“Tenho certeza que, graças ao empenho de vossas excelências, essa Comissão será muito bem-sucedida e que, ao final, nós olharemos para trás com admiração e muito orgulho do trabalho que iremos realizar aqui”, disse a vereadora no final da sessão.

Nas redes sociais, a vereadora reafirmou seu posicionamento: “É urgente nos reorganizarmos para, pedagogicamente, contra-atacar e resgatar os valores dos direitos humanos, os direitos universais, a partir da luta concreta da nossa cidade”. Erika ainda disse que criará “mecanismos de prevenção e superação das mazelas e violências contra as maiorias sociais minorizadas”.

Publicidade