Ciência

Este é o lugar mais quente da Terra com temperaturas que já chegaram aos 70ºC

por: Redação Hypeness

O satélite Aqua, da Nasa, identificou qual é o lugar mais quente da Terra. Localizado no sudeste do Irã, o deserto de Lute é dono do recorde de temperatura de superfície já registrada: 70,7°C, em 2005. As informações captadas pelo espectrorradiômetro de imagem do Aqua detectaram ondas de calor entre 2003 a 2010. Em cinco dos sete anos do estudo, o deserto de Lute registrou a maior temperatura anual. 

Palmeiras e calor? Os mistérios do Deserto do Saara egípcio

Deserto de Lute, no Irã, tem a temperatura de superfícia mais alta do planeta: 70,7°C.

A porção árida de terra tem sua origem há milhões de anos. Cientistas acreditam que atividades tectônicas tenham aquecido a temperatura da água e elevado o fundo do mar. Aos poucos, a região se tornou seca e assim permanece até hoje. A temperatura do ar costuma ficar em torno de 39ºC.

Neve no deserto do Saara é fotografada na Algéria

A área do deserto de Lute é de 51,8 mil quilômetros quadrados. Por ser cercada de montanhas por todos os lados, a região não recebe o ar úmido que poderia vir do Mar Mediterrâneo e do Mar Arábico. Outro motivo para o calor extremo é a ausência de vegetação. Por ser um deserto de sal, poucas plantas, como líquens e arbustos de tamargueiras, sobrevivem no solo.

A região de planalto conhecida como Gandom Beryan é a mais quente do deserto. Isso acontece porque ela é coberta por pedras vulcânicas pretas, que absorvem mais calor. O nome vem do persa e quer dizer “trigo torrado”. A explicação é uma lenda local que conta sobre uma carga de trigo que queimou após ficar poucos dias no deserto.

Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Cientistas descobrem genoma mais antigo de humanos modernos em análise de crânio