Futuro

Fukushima: 10 anos após tsunami e acidente nuclear, a luta para deixar de ser região-fantasma no Japão

por: Vitor Paiva

Passados 10 anos desde que, em 11 de março de 2011 na região de Fukushima, no Japão, um terremoto submarino deu origem a um tsunami que provocou um imenso acidente nuclear na usina Fukushima Daiichi, as cidades ao redor hoje lutam para deixarem de ser cidades-fantasma.

Cerca de 18 mil pessoas morreram e 6 mil ficaram feridas imediatamente por conta da tragédia, que se revelaria o maior acidente nuclear do mundo desde o ocorrido em Chernobyl, mas os desdobramentos sobre a comunidade seguem até hoje, enquanto alguns moradores tentam retomar a vida na região.

Takao Fujisaki, que perdeu a filha e o neto no acidente em 2011, reza diante de um túmulo em Namie no último dia 11 de março, quando a tragédia completou 10 anos

Takao Fujisaki, que perdeu a filha e o neto no acidente em 2011, reza diante de um túmulo em Namie no último dia 11 de março, quando a tragédia completou 10 anos © Getty Images

Seleção Hypeness: as 20 cidades-fantasma mais impressionantes do planeta

O terremoto de magnitude 9.0 – o mais intenso já registrado na história do Japão – durou três minutos, e provocou um tsunami que atingiu 30 metros em alguns trechos, e o impacto que derreteu e causou explosões e vazamentos na usina nuclear obrigou que mais de 160 mil pessoas deixassem então suas casas como estavam.

Cerca de 12% do território do Departamento de Fukushima, cerca de 1.650 km², passaram a ter acesso proibido – formando uma Zona de Exclusão que afetou cerca de 12 cidades –  fazendo com que, por anos, cidades ao redor da usina se tornassem estranhos cenários abandonados e tomados por animais.

Casa que segue abandonada e destruída em Namie, na Zona de Exclusão de Fukushim

Casa que segue abandonada e destruída em Namie, na Zona de Exclusão de Fukushima © Getty Images

Entenda como a maconha pode limpar solos contaminados e radioativos

Ao longo dos anos o território foi sendo novamente liberados para ser ocupado pelos moradores – atualmente 2,4% da superfície do Departamento de Fukushima, equivalente a 337 km², permanecem inabitáveis e proibidos de serem reocupados – mas a desmontagem da usina, ainda seguirá por muitos anos: a estimativa é que o desmantelamento dure até 40 anos.

O quadro, no entanto, pode ser ainda mais grave pois, de acordo com relatório publicado pelo Greenpeace, somente 15% da zona delimitada de descontaminação já foram limpos – em medição de radiação feita pela própria organização ambiental. Estima-se que a radiação do acidente tenha afetado  praticamente todo o oceano pacífico.

Detalhe da casa em Namie, mostrando o calendário ainda no dia do acidente em 2011

Detalhe da casa em Namie, mostrando o calendário ainda no dia do acidente em 2011 © Getty Images

O emocionante reencontro deste casal separado pelo tsunami na Indonésia

Dados oficiais afirma que atualmente restem 65 mil pessoas “deslocadas” de suas territórios originais, mas especialistas afirmam que o quadro em verdade é muito pior. O governo oferece incentivos financeiros e aluguéis baratos para quem retornar à região – para locais como Namie, Okuma, Tomioka e Naraha, cidades administradas sob a Prefeitura de Fukushima, que formaram parte da Zona de Exclusão do acidente – mas muita gente naturalmente decide por não voltar.

Em Namie, a população atual de cerca de 1.580 pessoas representa somente 7,5% da população de março de 2011, e nos colégios do município estudam hoje 30 alunos – dez anos atrás o número chegava a 1.800.

"Cuidado: área de alta radiação. Por favor, passe o mais rápido possível", diz a placa na entrada de Namie, na Zona de Exclusão

“Cuidado: área de alta radiação. Por favor, passe o mais rápido possível”, diz a placa na entrada de Namie, na Zona de Exclusão © Getty Images

Animais prosperam mesmo vivendo na zona de exclusão de Chernobyl

Quando, em 2016, o jovem Keow Wee Loong entrou na zona proibida e registrou o local em fotos, tudo seguia abandonado e basicamente intocado em Okuma, Futaba e parte de Namie, mas desde então uma parte da área já vem sendo lentamente reocupada – principalmente por populações mais velhas, em um país que já vive uma intensa crise de envelhecimento demográfico.

Um supermercado destruído, ainda em 2016, quando Keow Wee Loong fotografou a Zona de Exclusão

Um supermercado destruído, ainda em 2016, quando Keow Wee Loong fotografou a Zona de Exclusão © Keow Wee Loong

Placa indicando a direção da usina nuclear em foto registrada em 2016

Placa indicando a direção da usina nuclear em foto registrada em 2016 © Keow Wee Loong

O futuro, portanto, é incerto na região, e o desafio para a comunidade segue sendo o mesmo desde o 11 de março de 10 anos atrás: sobreviver.

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Tanzânia celebra 1ª mulher presidente após morte de governante negacionista