Gastronomia

Italianos podem ser multados em mais de R$ 300 mil por venda de queijo com larvas

por: Redação Hypeness

O Casu Marzu já ganhou antes as páginas do Hypeness como o ‘queijo mais perigoso do mundo‘ – e pode ganhar as páginas policiais da Itália por conta de uma pesada multa, cerca de R$ 400 mil, aplicada a quem decidir vende-lo.

Pois para a maioria ele é também um dos queijos mais nojentos do mundo. Trata-se de iguaria feita a partir do leite de ovelha, mas que somente alcança a textura e o sabor apreciado quando está totalmente infestado por larvas, que colocam seus ovos nas rachaduras do queijo. Ao longo do processo as larvas da Mosca-do-queijo digerem proteínas e o transformam em uma textura cremosa e, para os corajosos, de sabor inigualável.

O queijo Casu Marzu

O Casu Marzu, antes de ser aberto, parece somente um queijo rústico © Getty Images

-Contra desperdício e desmatamento, startup alemã cria hambúrguer de larvas

Tradicional da ilha da Sardenha, na Itália, o queijo é costumeiramente consumido ‘ao natural,  incluindo as larvas inteiras, mas alguns preferem bater toda a mistura e chegar a um resultado ainda mais cremoso – também com as larvas do tipo Piophila casei como parte da receita.

Não é preciso uma grande investigação para compreender o motivo pelo qual o Casu Marzu tem a venda e o consumo proibido: os casos de intoxicação são recorrentes, proporcionais, no entanto, ao deleite de quem gosta de produzir e consumir essa questionável e exótica criação gastronômica. Seu nome já sugere a questão, que na língua local quer dizer queijo podre.

O queijo Casu Marzu

As larvas da Mosca-do-Queijo são fundamentais para se chegar à textura apreciada © Youtube/reprodução

-O surreal picolé de queijo que está despertando amor e asco na internet

Apesar de ser reconhecido como um produto tradicional oficial da Sardenha, o queijo é declarado ilegal pelo governo italiano desde 1962, por uma razoável legislação que proíbe a venda e o consumo de alimentos infestados por parasitas.

Alguns moradores e visitantes aventureiros seguem com sua produção e consumo, no entanto, como uma importante atração turística local, mas a multa pela venda do Casu Marzu não é pequena, podendo chegar a US$ 60 mil dólares – equivalente a mais de R$ 333 mil reais na cotação atual.

A cidade de Castelsardo, na ilha da Sardenha, na Itália

A cidade de Castelsardo, na ilha da Sardenha, na Itália © Getty Images

-Carvão, urucum e até kefir: São Paulo prova que queijos artesanais podem ser (muito) inovadores

Consumo de insetos é tendência

Curiosamente, a proibição do queijo com a larva da Mosca-do-Queijo contraria uma tendência cada vez mais estudada e mesmo sugerida por cientistas e especialista: o consumo de insetos como fonte proteica alternativa às carnes de boi e de frango.

O hábito é comum em diversas regiões do mundo, e investir nos insetos pode ser uma maneira eficaz e ecologicamente correta de combater a fome, reduzindo a emissão de dióxido de carbono e outros poluentes associados à produção agropecuária e aviária.

O queijo Casu Marzu

As larvas trabalhando em um dos queijos © AFP

-‘Fios de deus’: o incrível macarrão mais raro do mundo é tão difícil de ser feito que está ameaçado de extinção

Estudiosos locais garantem que o Casu Marzu é um queijo seguro, e desde 2005 pesquisadores da Universidade de Sassari, na Sardenha, vêm criando a Piophila casei em laboratório, para mostrar que o queijo pode ser feito em ambiente seguro e controlado – a fim de derrubar o caráter clandestino do produto e torná-lo abertamente em um símbolo gastronômico local.

O queijo Casu Marzu

O consumo de insetos vem se tornando tendência internacional © Wikimedia Commons

A ideia é que o sabor seja um atrativo maior do que seu modo de produção, para convencer a União Europeia e outros cientistas que o ‘queijo mais perigoso do mundo‘ – reconhecimento oferecido pelo Livro dos Recordes em 2009 – é, na verdade, seguro e saboroso, apesar da impactante aparência.

Publicidade

© fotos: créditos


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Marca de vinhos estuda millennials e cria rótulos ideais para agradar a geração Y