Debate

Justiça aciona salão com 180 vídeos propondo alisamento para ‘salvar’ cabelo de jovens negras

por: Redação Hypeness

A Justiça de São Paulo ordenou que o salão de beleza Ark Line retire do ar conteúdos racistas utilizados para a promoção de seus produtos de alisamento capilar. A empresa fez mais de 180 vídeos promovendo o alisamento do cabelo. Em muitas das campanhas, menores de idade são incentivadas a realizarem o procedimento. O conteúdo ainda não foi retirada do ar. As informações são do Brasil de Fato.

– Professora é acusada de racismo ao pedir que criança de 4 anos alise ou prenda o cabelo

Vídeos racistas incentivando o alisamento e forçando críticas ao cabelo crespo devem ser retirados do ar

O racismo no ‘vou salvar seu cabelo’

Nos vídeos, é possível ver o dono da clínica de estética Ark Line, André Luiz Lopes de Oliveira, incentiva as mulheres com cabelo crespo a falarem mal de suas madeixas. Em um vídeo, uma menina menor de idade fala que sofre com os cachos e André diz que vai ‘salvar seu cabelo‘.

– A esteticista que deu um bico no racismo e criou uma touca para cabelos crespos 

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) acompanhou o caso e o promotor Reynaldo Mapelli Junior fez um pedido que os vídeos fossem retirados do ar. Segundo o texto da promotoria, “os cabelos crespos são apresentados como um problema estético suportado pelas crianças” e “são claramente apresentados destratados, sem nenhum cuidado, como forma de reforçar, ainda que de forma inconsciente, o estereótipo de cabelo ruim.”

A juíza Cristina Ribeiro Leite Balbone Costa, da Vara da Infância e da Juventude acatou o pedido parcialmente e ordenou que as publicações fossem tiradas do ar em até 5 dias.

– Racismo: modelo diz que sentiu medo após cabeleireiro associar cabelo crespo ao estupro 

Segundo a magistrada, a clínica “utiliza a imagem de crianças e adolescentes, sem a necessária autorização judicial, expondo-as a constrangimento e humilhação pela natureza de seu cabelo, bem como indicando que não há beleza nem felicidade possível para tais jovens fora do padrão liso ou alisado, já que em nenhum momento o cabelo crespo, natural, é retratado como forma a exaltar sua beleza e identidade, permitindo penteados nas mais variadas formas.”

Caso queira ver, o Brasil de Fato publicou, com tarjas, os vídeos racistas da clínica estética:

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram/Youtube


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Kajuru pode pagar R$ 40 mil por ofensa misógina contra Luciana Gimenez