Diversidade

Linn da Quebrada comemora silicone nos seios e se diz ‘livre para não ser homem nem mulher’

Redação Hypeness - 03/03/2021

Cantora, artista, ativista, roteirista, influenciadora: essa é Linn da Quebrada, uma das mais importantes travestis no mundo da cultura no Brasil de 2021. A ícone LGBT decidiu fazer uma intervenção cirúrgica para colocar seios de silicone. O processo e o resultado foram um objeto de transmutação na vida de Linn.

Linn da Quebrada colocou silicone e celebrou mais uma afirmação de sua identidade

Linn rompe limites dos padrões de gênero 

A cantora, que lançou o incrível ‘Pajubá’ (2017), afirmou que a decisão de colocar peitos aos 30 anos de idade foi difícil. Por muito tempo ela se questionou sobre os impactos de uma intervenção cirúrgica. No entanto, a artista entendeu que isso poderia ser um passo para combater situações de transfobia.

– ‘Envaidece a viadagem’: gay e negro, ele usou a tatuagem para superar o preconceito com si mesmo

“Amo tanto o meu corpo, sou tão apaixonada por ele, que sinto essa necessidade de transmutar. O peito nunca foi uma necessidade minha, mas eu sentia que eu precisava me deslocar. Sinto que o peito é um símbolo muito forte. Minha intenção não é, necessariamente, ser mulher. Por mais que eu tivesse certeza de quem eu era e sou, me machucava demais ser tratada no masculino e não me sentir segura ou livre para usar um banheiro feminino, por exemplo”, disse em seu Instagram.

Para ela, o procedimento estética serviu como uma forma de mostrar que os padrões de gênero não podem limitá-la. Dentro de seu corpo há coisas do feminino e do masculino e ela encontrou um equilíbro; a identidade travesti.

– Prefeitura de São Paulo vai pagar salário mínimo para transexuais e travestis estudarem

“Me sinto livre para não ser nem homem nem mulher. Se aos 30 anos eu venho me perguntando quem sou eu, agora não tenho dúvida: eu sou travesti, tenho peito, tenho pau… É muito chique. Sou binária dentro da minha feminilidade. Tenho me achado tão gostosa, tenho me amado tanto. Tenho tesão em mim. Se antes da cirurgia eu estava vivendo um momento da minha libido muito baixa, por causa dos hormônios, depois da cirurgia eu me sinto viva, num fogo por mim. Sinto muito desejo por mim, porque sou gostosa”, continuou.

“Quero dividir comigo esse prazer que eu estou tento pelo meu corpo, por eu ter criado um órgão. Estou muito feliz e me sentindo livre para não ser nem homem nem mulher, para ser travesti. Não é um peito que faz a travesti. É a travesti que faz o peito”, completou Linn.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Travesti pioneira na adoção no Brasil é mãe de 2 meninas trans