Inovação

Professor improvisa lousa em caçamba de caminhão para dar aulas em região isolada do México

Vitor Paiva - 31/03/2021 | Atualizada em - 06/04/2021

A educação chega de caminhão às crianças em quarentena em uma zona rural mexicana, pelas mãos e rodas do professor Salvador Olvera Marín. Improvisando uma sala de aula a céu aberto com uma lousa adaptada à parte de trás de seu próprio veículo e sempre mantendo os protocolos de segurança, Marín encontrou uma solução para seguir ensinando aos alunos que estão em casa por conta da Covid-19 – mas que não podem ter aulas online por não terem meios de se conectar à internet.

O professor Salvador Olvera Marín lecionando

O professor ensinando em sua sala de aula ao ar livre © Twitter: @fherdsan

-Professor vivendo em carro ganha ajuda de R$ 150 mil de ex-aluno

O professor vive na cidade de La Sierra de Querétaro e, desde março do ano passado – quando as aulas foram suspensas na escola Miguel Hidalgo, na comunidade de San Pedro Escanela a cerca de 350 km da Cidade do México – encontrou essa solução humanitária e efetiva para o dilema das aulas durante a pandemia. Viajando até pontos próximos da casa dos alunos, o professor passou a “montar” sua sala de aula ao ar livre e sempre de máscara, para assim seguir lecionando e respeitando as exigências sanitárias dos pandêmicos tempos atuais – especialmente para os alunos que não possuem computador, smartphone ou meios de se conectar à rede para aulas remotas.

O professor Salvador Olvera Marín lecionando

O professor viajava até os alunos, que às vezes se sentam à beira da estrada para as aulas © Twitter: @fherdsan

– Queniano eleito melhor professor do mundo doa 80% do salário a quem não tem nada

Os custos de transporte e dos equipamentos de segurança são pagos pelo próprio professor, que gosta de lembrar que uma pandemia não é uma oportunidade de férias, e por isso faz questão de lecionar. “Não é o mesmo desempenho de quando você está na escola presencialmente, mas para mim é muito satisfatório que as crianças estejam progredindo”, comentou Marín, em entrevista para o site mexicano El Queretano. “Seria pior se não fizéssemos nada. Sempre que posso durante a semana estou com eles, até aos sábados”, afirmou.

Protocolos, xerox e homenagem

Segundo Marín, as aulas acontecem seguindo protocolos e mantendo os hábitos de segurança para evitar qualquer possibilidade maior de contágio. “Falamos de máscara e levamos gel no caminhão. Reunimos duas ou três crianças em lugares determinados – os que não consigo visitar em um dia, vou no dia seguinte”, comentou. As aulas muitas vezes acontecem na beira da estrada, com carteiras improvisadas ou mesmo com as crianças sentadas ao meio-fio ou diretamente no chão.

O professor Salvador Olvera Marín lecionando

Os custos das aulas remotas são pagos pelo próprio professor © Twitter: @vickolvera3

-Isso explica porque o ensino na Finlândia é um dos melhores do mundo

Os cadernos, gizes, a lousa e outros materiais de trabalho – incluindo gasolina e manutenção do veículo nas viagens – também vem sendo custeados pelo próprio Marín, que agora luta para conseguir uma fotocopiadora para seguir com sua luminosa iniciativa de educação volante. “Estamos batalhando por uma fotocopiadora pois a que tínhamos quebrou. Já solicitamos ao governador, estamos aguardando o tramite para ver se ele nos proporciona, pois temos que copiar os trabalhos para entregar aos alunos”.

O professor recebendo a homenagem do congresso mexicano

O professor recebendo a homenagem do congresso mexicano © Cortesía LIX Legislatura

-Projeto de escola inspirado em casa na árvore conecta crianças com a natureza

Apelidado de “Chava”, o professor se tornou uma espécie de celebridade local depois que as fotos de suas aulas na pandemia viralizaram. Com isso, a Comissão de Educação e Cultura do Congresso do México decidiu recentemente lhe homenagear e celebrar seu trabalho, que encarna o sentido mais profundo da mais importante das profissões.

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Prefeitura cria faixa 3D para evitar atropelamentos em cidade de SP