Arte

Samba e a influência de África no ritmo favorito do Brasil

Redação Hypeness - 30/03/2021 | Atualizada em - 31/03/2021

O Brasil é o país com mais descendentes africanos fora da África. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 54% da população é afro-descendente. Assim como temos muitas palavras de origem africana na nossa língua portuguesa, o próprio samba, uma instituição local, tem influência da África.

Com 54 países, o continente africano é rico e diverso em sua cultura composta por ideias, costumes, leis, crenças e conhecimentos. Colonizados assim como nós, os africanos receberam diversas influências de seus invasores.

Mas calma! O samba, sim, nasceu no Brasil. Mas seu nome deriva da palavra africana “semba”, um dos estilos musicais mais populares de Angola e que em kimbundo, uma das línguas do país, significa umbigada. Numa tradução livre, a palavra representa “o corpo do homem que entra em contato com o corpo da mulher ao nível do barriga”.

Roda de Semba

Roda de Semba

O gênero de música e de dança tradicional Semba se tornou muito popular nos anos 50, mas existe um consenso sobre a data de sua criação.

“Um das possíveis origens, segundo Nei Lopes, seria a etnia quioco, na qual samba significa cabriolar, brincar, divertir-se como cabrito. Há quem diga que vem do banto semba, como o significado de umbigo ou coração. Parecia aplicar-se a danças nupciais de Angola caracterizadas pela umbigada, em uma espécie de ritual de fertilidade. Na Bahia surge a modalidade samba de roda, em que homens tocam e só as mulheres dançam, uma de cada vez. Há outras versões, menos rígidas, em que um casal ocupa o centro da roda, escreveu Marcos Alvito, na Revista de história da Biblioteca Nacional.

A chegada dos ritmos africanos ao Brasil começou pela Bahia, maior porta de entrada dessa população. Trouxeram consigo estilos musicais como batuque, maxixe, chula, entre outros nomes, simbolizava a dança.

No Rio de Janeiro, o samba encontrou terreno fértil para nascer e se desenvolver. Capital do Brasil colônia, as terras cariocas receberam as umbigadas com nada menos que o Carnaval.

Na virada do século XX, o samba já era o gênero musical popular mais tocado e escutado nos subúrbios e, depois da especulação imobiliária, nos morros cariocas.

As primeiras canções desse encontro foram marchinhas de compositores como Pixinguinha (1897-1973) e Donga (1890-1974) com seu famoso grupo Caxangá, além de trabalhos solos de ambos, João da Baiana(1887-1974), filho da baiana Tia Perciliana, que gravou o samba “Batuque na cozinha”, entre outros. Tivemos ainda Chiquinha Gonzaga, que marcou a história da música escrevendo hinos carnavalescos entoados até hoje como “Ô Abre Alas”.

Com o passar do tempo, as marchinhas foram substituídas pelos sambas-enredo e, depois, ganhando toques modernosos com a introdução de instrumentos como o surdo e a cuíca, que nos pareceriam mais familiares ao samba que ouvimos hoje em dia.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.