Diversidade

Anyky Lima teve vida de luta pelos direitos de trans e travestis

Redação Hypeness - 20/04/2021 | Atualizada em - 27/04/2021


Viver 65 anos quando a expectativa de vida média é de 35. Em qualquer país do mundo, a pessoa que ultrapasse de forma tão clara essa marca seria vista como uma espécie de anciã, uma fonte lendária de sabedoria que poderia guiar e aconselhar nos trajetos sórdidos e duros de uma existência cheia de perigos.

Anyky Lima foi uma dessas. A militante histórica do movimento LGBT que superou a expectativa de vida de 35 anos das mulheres trans brasileiras faleceu na última quarta-feira (14) e deixou um legado importantíssimo na luta contra a transfobia no nosso país.

– Negras, trans e mulheres: diversidade desafia preconceito e protagoniza eleições 

Anyky Lima é um exemplo: alertou para a crescente violência contra transexuais e cruzou a linha da expectativa de vida, sendo exemplo para outras milhares de mulheres trans

Anyky nasceu no bairro de Padre Miguel, no Rio de Janeiro, e sofreu com a transfobia e a homofobia na família. Sobreviveu à epidemia de HIV, à ditadura e à violência transfóbica desde jovem. Por 50 anos, trabalhou como prostituta. Foi passando pela vida e sempre acolheu meninas trans, em especial as trabalhadoras sexuais, como ela.

– Funcionária de campanha de candidata trans é agredida com mordidas e golpes de bastão

Ela lutava há anos contra um câncer e sucumbiu à doença. Sua perda causa grande efeito em diversas associações e organizações pró-LGBT. Ela era um exemplo para milhares de pessoas trans ao redor do país.


“Anyky viveu e morreu lutando! Além de ter sobrevivido a ditadura, a epidemia do HIV nos anos 80/90, a ausência e omissão do estado, a violência e o transfeminicídio, era uma grande defensora dos direitos das pessoas LGBTI+ e lutadora pela cidadania da população de Travestis e demais pessoas trans. Sobreviveu as estatísticas e se tornou idosa em um País onde a expectativa de vida de uma travesti ou transexual é de 35 anos”, afirmou nota da Antra (Associações Nacionais de Trans e Travestis).

– Negros morrem mais por transfobia e Brasil vive ausência de dados sobre população LGBT 

“Anyky foi uma grande defensora dos direitos humanos e dedicou muito de sua vida na luta pela construção de uma sociedade mais justa e que respeite a diversidade”, afirmou a vereadora belorizontina Duda Salabert (PDT-MG).

Publicidade

Fotos: Reprodução/Arquivo Pessoal


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.