Criatividade

Cadarço de bacon: marca de salsichas lança cadarço com cheiro de bacon para combinar com tênis Nike

Vitor Paiva - 01/04/2021

Já imaginou um cadarço de amarrar os tênis feito de… bacon? Essa ideia pode parecer um tanto exótica mas, para quem ama a iguaria suína incondicionalmente, qualquer coisa fica melhor com bacon – até mesmo, pasmem, nossos tênis, e em especial o relançamento do Nike Air Max 90 “Bacon”, que ganhou o apelido pelas suas cores. Foi pensando assim que a marca Oscar Mayer, famosa no mercado internacional de carnes, salsichas, embutidos em geral e, claro, bacon, decidiu lançar seus cadarços especiais, para combinar com o tênis especial da Nike, e para que se possa carregar a sugestão e até mesmo o aroma preferido de quem ama o que aqui chamamos de toucinho acima de todas as coisas.

O cadarço de bacon da marca Oscar Mayer

O cadarço de bacon da marca Oscar Mayer © Instagram

-Primeiro Air Jordan é vendido por 560 mil dólares. Afinal, qual o hype do mais icônico tênis esportivo?

Sim, além de simular a aparência de duas tiras de bacon, os cadarços da Oscar Mayer vêm com o “perfume” peculiar dessa carne de porco que é um dos símbolos da cultura dos EUA – baseado na fragrância do próprio bacon defumado da marca. “Poucas coisas são melhores do que o cheiro delicioso de um bacon Oscar Mayer recém preparado, mas você não deveria precisar ligar o fogão para preencher suas narinas com esse odor divinal”, diz o release dos cadarços. “Nós sabemos que os apaixonados por bacon sempre querem mais, então criamos esses cadarços com cheiro de bacon, para oferecer aos fãs a chance de carregar seu amor para qualquer lugar, seja para enfeitar os mais incríveis e novos pares de tênis ou um sapato velho”.

O cadarço de bacon da marca Oscar Mayer no Nike Air Max 90 Bacon

O cadarço aplicado em redundância ao Nike Air Max 90 “Bacon” © Instagram

-Nike lança linha de tênis e roupas inspirada em ‘Stranger Things’

Relançamento do Nike “Bacon”

Os cadarços podem amarrar qualquer calçado, mas foram projetados especialmente para combinar com o relançamento comemorativo do Nike Air Max 90 “Bacon”, que ganhou o mercado novamente – é a primeira vez desde 2004 que o icônico modelo é posto à venda.

O Nike Air Max 90 Bacon

O tênis fez sucesso nos anos 90 por sua semelhança com o bacon © Nike/reprodução

Segundo especialistas, um dos maiores charmes do modelo “Bacon” – que tem esse apelido por possuir cores muito semelhantes à tira de porco – é justamente se tratar de um tênis “divertido”, que traz a qualidade dos produtos Nike, mas principalmente o humor como elemento principal – e, se atrelado aos cadarços da Oscar Mayer, a redundância do bacon sobre bacon torna essa graça ainda maior – e mais perfumada.

O Nike Air Max 90 Bacon

O relançamento é o primeiro do modelo desde 2004 © Nike/reprodução

-Projeto anuncia recriação de odores da Europa do século 16 e vira piada nas redes

International Air Max Day

A escolha da data de lançamento dos cadarços e do novo Nike Air Max 90 “Bacon” para o último dia 26 de março não foi por acaso: nesse dia é celebrado anualmente o Dia do Nike Air Max, para festejar o aniversário do lançamento da primeira versão do modelo, o Air Max 1, em 26 de março de 1987, criado pelo designer Tinker Hatfield. Além do lançamento de novidades, a Nike também preparou para o Dia do Nike Air Max 2021 uma grande experiência imersiva, chamada Air Max Day Worldwide inspirada no design dos tênis ao longo do tempo.

O Nike Air Max 90 Bacon

O Nike Air Max foi criado pelo designer Tinker Hatfield em 1987 © Nike/reprodução

-Ovo de páscoa de bacon prova que limites a serem ultrapassados nunca têm fim

Os cadarços de bacon da Oscar Meyer são parte de uma promoção, e quem postar um tweet com as hashtags #OscarCookMyKicks e #Sweepstakes pode ganhar um par. Já o novo Nike Air Max 90 “Bacon” está à venda no site da Nike por nada módicos R$ 799,99.

O Nike Air Max

O International Air Max Day é celebrado todo dia 26 de março © Nike/reprodução

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Yahoo respostas sai do ar em maio e marca fim de uma era na internet