Ciência

Descobriram uma nova espécie de rã na região amazônica ao norte do Peru

Vitor Paiva - 28/04/2021 | Atualizada em - 29/04/2021

Foi batizada como Gastrotheca gemma a nova espécie de rã descoberta recentemente na região da cordilheira de Colán, ao norte do Peru, dentro da parte peruana da Amazônia. Segundo o Serviço Nacional de Áreas Naturais Protegidas pelo Estado (Sernanp), o novo marsupial foi encontrado a mais de 3,1 mil metros de altitude no Santuário Nacional Cordilheira de Colán, durante uma expedição para estudar a tundra e a floresta úmida local.

Uma rã da espécie Gastrotheca gemma

Um exemplar da nova espécie descoberta na Amazônia peruana © Sernanp

-Fóssil de baleia com 4 patas é descoberto no litoral do Peru

A descoberta foi publicada no período científico Vertebrate Zoology, e revela rãs medindo entre 5,7 e 7,2 centímetros. Segundo o artigo, a singularidade da espécie em relação aos seus congêneres está na combinação de “uma pele granular e áspera em seu dorso, uma coloração dorsal verde sem padrão, o dedo I menor que o dedo II, a íris turquesa e o ventre sem borrões, manchas ou pontos”, diz o texto. Tais características, portanto, passam a compor a espécie Gastrotheca gemma e distinguir a nova rã de outros animais do gênero Gastrotheca, que conta com 74 espécies encontradas na América Central e na América do Sul.

Uma rã da espécie Gastrotheca gemma

O animal visto em detalhes © reprodução

-Povos indígenas protegem e salvam as florestas segundo relatório da ONU

O estudo foi realizado por pesquisadores do Instituto Peruano de Herpetologia e o Centro de Ornitologia e Biodiversidade do Peru, junto a cientistas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e da Universidades da Flórida, nos EUA, e representa um primeiro passo de exploração de uma área que, segundo o próprio artigo, pode revelar mais e maiores novidades – e espécies descobertas. “A herpetofauna [grupo de animais formado por répteis e anfíbios] da Cordilheira de Colán está ainda longe de ser bem pesquisadas, e a verdadeira dimensão de sua biodiversidade anfíbia permanece desconhecida”, aponta o estudo.

Uma rã da espécie Gastrotheca gemma

Foi a cor turquesa dos olhos que determinou o nome da espécie © reprodução

-Muito antes do descobrimento, trilha conectava litoral de SP ao Império Inca no Peru

O nome “gemma” vem do latim, e significa originalmente uma pedra preciosa ou gema. Seu uso para espécie se refere à coloração dos olhos da rã marsupial descoberta, que se assemelha a uma pedra azul turquesa. A espécie é a quarta nova linhagem de rãs encontrada na região norte do Peru nos últimos 20 anos, mas o artigo não mede esforços em deixar claro o quanto o local deve receber maior atenção de cientistas e pesquisadores. “A herpetofauna da isolada Cordilheira de Colán merece investigações adicionais. A expedição na qual a G. gemma foi descoberta é uma de três expedições mirando exclusivamente a desconhecida diversidade deste grupo”, diz o texto – que pode ser lido na íntegra aqui.

Uma rã da espécie Gastrotheca gemma

A região onde o animal foi descoberto promete ser habitat de diversas espécies a serem descobertas © Sernanp

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.