Design

Inventor da Pringles e de sua icônica embalagem teve as cinzas enterradas em um tubo  

Vitor Paiva - 01/04/2021

Quando o designer e químico estadunidense Fredric Baur inventou os tubos das embalagens da Pringles em 1966, seu orgulho foi tamanho que passou a afirmar que, quando viesse a falecer, gostaria de ser enterrado dentro de um. Não é por menos: além de criar a icônica embalagem, Baur também desenvolveu as próprias batatas. em seu formato e textura, em parceria com outro pesquisador chamado Alexander Liepa – a Pringles foi, portanto, sua mais célebre invenção. Pois quando Baur veio a falecer, em 2008, seus filhos não tiveram outra opção, e de fato realizaram seu pedido, colocando suas cinzas dentro de um tubo de Pringles em seu túmulo.

Fredric Baur, designer e criador da Pringles e da embalagem da batata

Fredric Baur, designer e criador da Pringles e da embalagem da batata © Facebook

-Embalagem nova de Doritos serve também como toalha para limpar os dedos

A Pringles chegou ao mercado estadunidense em 1968 fabricada originalmente pela Procter & Gamble como uma resposta para as reclamações mais constantes dos consumidores de batatas fritas ensacadas – que costumavam vir quebradas, moles e oleosas. Baur passou dois anos desenvolvendo a massa frita, e principalmente o formato das batatas e, claro, a embalagem, enquanto Liepa ajudou a aprimorar o sabor. O lacre hermético impedia a entrada de ar, e o tubo lacrado em papelão e revestido em alumínio como proteção para as batatas precisamente encaixadas em seu interior resolveram todos os dilemas apresentados – naturalmente a batata tornou-se um imenso sucesso no país.

Tubo de Pringles

A semelhança com os tubos de bolas de tênis provocou estranheza inicial no público © Pixabay 

-Colamos nesta plantação para entender o beabá das batatas fritas

Paraboloide hiperbólico

O formato em onda ou, mais precisamente, como o de uma sela, desenvolvido por Baur para que a Pringles funcionasse perfeitamente com sua embalagem foi encontrado, segundo consta, a partir de cálculos então feitos em supercomputadores, a fim de garantir que as batatas ficariam no lugar e inteiras quando encaixadas umas nas outras, embaladas e transportadas. Tal formato na matemática é chamado de paraboloide hiperbólico e, veja só, possui sua própria equação: X²/a² – y²/b² = cz. Para alcançar a forma de onda com perfeição, a massa é transformada em uma grande “folha” e moldada em uma máquina especial antes de ser frita.

Batatas Pringles

O formato das batatas é uma paraboloide hiperbólico © Getty Images

-Tatuagens com cinzas de pessoas falecidas são novidade para eternizar quem amamos na pele

Não é batata

Um detalhe ajudou a tornar possível a precisão buscada por Baur no formato do alimento e no funcionamento da embalagem: objetivamente a Pringles não é uma batata frita, mas sim uma massa feita com água e um pó de batata misturado com milho, que permite o molde perfeito – assim, só 42% dela é de fato feito de batata. O sabor, porém, era e permanece sendo delicioso e, tal fórmula aliada ao formato da Pringles e sua icônica embalagem fizeram do trabalho de Baur um feito histórico na indústria – então e desde então: a lata de Pringles está para os snacks como a garrafa de Coca-Cola está para os refrigerantes.

Batatas Pringles

Hoje a batata é vendida em diversos sabores em centenas de países do mundo © Getty Images

Depois de anos de luta contra o mal de Alzheimer, Fredric Baur veio a falecer em maio de 2008 aos 89 anos, e imediatamente os filhos lembraram do plano que o pai sempre afirmou ao longo da vida e, no caminho para o enterro, pararam em uma loja para comprar uma lata de Pringles. Diante dos tantos sabores disponíveis, os filhos brevemente se questionaram sobre qual lata deveriam usar para realizar o pedido do pai, até que rapidamente concluíram que só podia mesmo ser um: o sabor Original, vermelho – o primeiro.

Batatas Pringles

O sabor Original da batata © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Utensílios de bambu: 16 itens que vão deixar sua cozinha linda e sustentável