Arte

Nas pinturas dessa incrível artista sul-africana o cotidiano é transformado em sonho e luz

Vitor Paiva - 01/04/2021

As pinturas a óleo da sul-africana Sasha Hartslief parecem iluminar os objetos e cenários do cotidiano de tal forma que é como se a banalidade do dia a dia fosse transformada em sonho por suas pinceladas. Em tempos de pandemia e quarentena, é como se o trabalho da artista revelasse certo sentido especial e belo que pode haver nos objetos e lugares mais ordinários – como se, no meio da mais repetitiva rotina, um raio de luz revelasse a beleza que nunca havíamos notado em nossos próprios lares.

Pintura de Sasha Hartslief

A luz é o elemento central da obra de Sasha Hartslief

-Como Berthe Morisot quebrou barreiras e se tornou a primeira mulher impressionista

“Pessoas, cenas e objetos não podem ser vistos sem o elemento da luz, mas uma cena pintada sob o brilho da luz do sol irá oferecer um tipo de sentimento diferente ao espectador se a mesma cena estiver iluminada à luz de velas”, comentou, em reportagem ao site My Modern Met. Para a artista, a luz é como uma “linguagem sutil” que todos nós compreendemos intuitivamente mas que dita toda nossa compreensão do mundo – a partir da qualidade da iluminação.

Pintura da sul-africana Sasha Hartslief

A solidão parece representada pela personagem solitária das obras da sul-africana Sasha Hartslief

-Fotógrafo inventa cenas surrealistas tomando animais como inspiração

Pintura da sul-africana Sasha Hartslief

O cotidiano parece se tornar em sonho nos quadros de Hartslief

Apesar de sempre retratar cenas reconhecíveis e comuns com sobriedade e leve tonalidade impressionista, a força de suas pinceladas, cores e, claro, da luz em seus quadros parecem cobrir com uma névoa onírica tais cenários – como se tudo fosse transformado em um sonho. “Eu procuro expressar minha intenção e compreensão do tema da forma mais simples e econômica, apesar dos diversos níveis de complexidade”, comenta. Uma mulher é muitas vezes retratada só nas telas, aprofundando assim certa melancolia e solidão que as pinturas sutilmente sugerem.

Pintura da sul-africana Sasha Hartslief

“Eu procuro expressar minha intenção e compreensão do tema da forma mais simples e econômica, apesar dos diversos níveis de complexidade”

Pintura da sul-africana Sasha Hartslief

A influência dos Impressionistas é modernizada pelo talento da pintora

-O dia que Salvador Dali ‘criou um sonho’ para um filme de Hitchcock

Hartslief pinta há 20 anos, e a maestria de seu talento é evidente, se aprofundando a cada olhar e em cada detalhe de seus quadros. Para tal a artista utiliza método de pintura conhecido como alla prima, que em italiano quer dizer “de primeira”, em tradução livre. Trata-se de técnica que normalmente a óleo na qual a artista aplica a tinta diretamente sobre a base sem estudos prévios, preparações ou correções posteriores – o que se vê é o que foi pintado “de primeira”.

Pintura da sul-africana Sasha Hartslief

Em alguns quadros de Hartslief a luz é a protagonista direta

Pintura da sul-africana Sasha Hartslief

Os cenários mais mundanos ganham contornos oníricos

-Artista usa tecnologia desenvolvida pela NASA para criar vitrais neon deslumbrantes

“Quando uma pintura começa a secar eu considero-a finalizada e, por isso pintar pra mim é sempre uma corrida contra o tempo”, diz a artista, ilustrando o impacto emocional que a técnica pode carregar sobre a pintura mas principalmente o sentido mais profundo de um quadro. Seu trabalho já foi exposto na África do Sul e na Europa, e pode ser seguido e aprciado em maravilha no perfil de Hartslief no Instagram.

Pintura da sul-africana Sasha Hartslief

“Quando uma pintura começa a secar eu considero-a finalizada e, por isso pintar pra mim é sempre uma corrida contra o tempo”

Pintura da sul-africana Sasha Hartslief

A técnica alla prima torna o ato de pintar em uma corrida contra o tempo

Pintura da sul-africana Sasha Hartslief

Na alla prima a tinta é aplicada diretamente e sem rascunho na superfície

Publicidade

© artes: Sasha Hartslief/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Ismael Ivo: Deus negro do Ébano que o Brasil não conhecia e o mundo reverenciou