Tecnologia

O que é NFT? Entenda como funciona esta tecnologia e porque é bom ficar de olho neste mercado

Yuri Ferreira - 29/04/2021 | Atualizada em - 03/05/2021

O que é NFT? Os tokens não-fungíveis ou non-fungible tokens são uma tecnologia que permite adquirir e validar propriedade de arquivos digitais. Resumidamente, através de uma tecnologia de blockchain desenvolvida dentro do sistema de criptomoeda Ethereum, pessoas e entidades podem trocar obras de arte, arquivos de música e textos em suas formas originais.

– Skatista quer US$ 500 mil por vídeo viral com música do Fleetwood Mac 

O que é NFT; entenda NFT; NFT o que é

Os tokens não fungíveis acabaram tomando papel preponderante dentro da arte digital no ano de 2021 e se tornaram um mercado autossustentável para artistas digitais

O mercado representa mais de 600 milhões de dólares ou 3,2 bilhões de reais e se tornou uma febre entre artistas digitais, criadores de conteúdo, colecionadores de arte e entusiastas de criptomoedas. Por isso, fizemos esse texto aqui no Hypeness: queremos te explicar o que é NFT e como funciona o sistema NFT.

NFT – o que é e exemplos

Os tokens não fungíveis ou non fungible tokens são um código que valida a propriedade digital x ou y. Basicamente, computadores rodam um script para encontrar um token válido de NFT. Depois de minerarem um NFT, ele é associado a uma peça de propriedade digital. Então, o código é vendido ou distribuído para pessoas que desejam ter o arquivo ‘original’ e ‘válido’ da obra digital.

Vamos dar um exemplo. Você se lembra do vídeo do NyanCat? O gatinho que flutuava com um arco-íris através da internet com uma música repetitiva se tornou um dos maiores fenômenos da internet mundial. O meme já havia sido esquecido há alguns anos pela maior parte dos internautas.

O que é NFT; Nyan Cat;

NyanCat foi um dos primeiros memes a serem vendidos pelo sistema NFT; o que era apenas uma imagem replicada pela internet acabou se tornando meio milhão de dólares

Entretanto, os proprietários do NyanCat associaram a obra a um código tokenizado. O gif foi vendido através do sistema NFT por meio milhão de dólares. O comprador obteve o gif “original” do NyanCat e se tornou seu proprietário. Ainda existem cópias no mundo digital e o vídeo é replicado diariamente nas redes sociais? Sim. Mas assim como a Monalisa, cópias andam por aí e a original continua valendo muito.

Ou seja, os milhões de dólares que estão sendo canalizados para esse novo sistema pouco garantem em questão de exclusividade, especialmente para produtos que já circulam pela internet há um bom tempo.

Tampouco dá pra dizer que as NFTs tem algum valor legal. Por se tratar de um código baseado em criptomoedas, instituições estatais não costumam validar a sua propriedade.

Como funciona o sistema NFT – criptomoedas

Como funciona o sistema NFT? Resumidamente, existem criptomoedas como a Ethereum ou a Tezos que permitem a criação de tokens não fungíveis. Então, o artista ou responsável pela criação da propriedade digital ‘lastra’ o arquivo digital à uma moeda. Basicamente, você troca com a própria rede de criptomoedas um pouco de dinheiro pelo token que valida sua propriedade digital e então ele pode ser vendido e trocado.

As principais criptomoedas usadas para NFT são a Tezos, a Flow e a Terra1. Resumidamente, as criptomoedas (NFT) mais utilizadas são as que usam o sistema de Proof of Work para construir confiança.

– Pintora tem obra mais cara da história vendida em leilão ofuscada por Bansky

O que é NFT; Nft arte; blockchain

Um complexo sistema de validação de transações e valores é o que torna o blockchain e os NFTs tão seguros; ao mesmo tempo, demanda energética dessa tecnologia é tão alta que já preocupa ambientalistas

Por se tratar de um tecnologia que opera dentro do sistema de blockchain, a validação da sua propriedade é garantida. O monumental método de validação de segurança do blockchain cria uma corrente que permite verificar  a validade de todas as propriedades e transações e dificilmente pode haver uma fraude.

Exceto se, por exemplo, algum artista NFT distribuir o mesmo arquivo com pequenas alterações como se ele fosse diferente para cada comprador. Ou se você tokenizar a obra de um artista sem seu consentimento e vendê-la na internet como se fosse sua. E isso está acontecendo. Entretanto, nenhuma fraude estará relacionada ao sistema de compra e venda, e sim à índole do vendedor.

Por isso, existem sites como o Nifty Gateway, o Async Art e o Makers Place que tentam validar a propriedade e verificar os criadores antes que eles vendam conteúdo através de suas plataformas.

NFT – arte e artistas conhecidos que já trabalham com a tecnologia

E se eu te dissesse que o Kings of Leon já lançou um disco em NFT? Ou que artistas como Grimes, Ja Rule, Lindsay Lohan e outros investiram nesse sistema?

As utilidades do sistema são variadas. O Kings of Leon, por exemplo, distribuiu o disco em NFT – resumidamente, a banda disponibilizou algumas cópias ‘originais’ do disco, como se fossem discos físicos – e acabou lucrando mais de dois milhões de dólares com o experimento.

Outros artistas foram para outros caminhos. Beeple, por exemplo, um dos maiores nomes da arte digital no mundo, vendeu uma coleção de arte inteira que tem, no total, 319 gigabytes, foi vendida por pouco mais de 382 milhões de reais.

Ah, se você quiser ver, está aqui:

NFT arte

Beeple vendeu coleção de arte em .jpeg por 69 milhões de dólares e bateu o recorde de NFT mais cara da história; valores, apesar de assustadores, estão bem distantes do mercado de arte física

Outros nomes acabaram entrando nessa febre e o mercado de NFTS se tornou definitivamente maior do que se esperava. Após seu boom em janeiro, ele parece se estabilizar. Até então, segundo o cryptoarts.io, um site que monitora a comercialização dos NFTs em galerias de arte digital, foram vendidas 200 mil obras de arte pelo sistema NFT, somando um total de 600 milhões de dólares, o que dá uma média de R$ 16 mil por obra vendida na plataforma.

NFT arte no Brasil

É claro que a especulação trabalha muito nesse momento e o mercado talvez esteja inchado. Mas se falava isso do bitcoin também e ele se tornou uma moeda com valor relativamente estável e em constante valorização, apesar das flutuações de mercado. Isso sem falar nas outras criptomoedas.

– Radiohead passa a oferecer todo seu acervo em biblioteca pública digital própria

No Brasil, o sistema de NFT ainda é pouco usado, apesar de artistas digitais brasileiros já terem aderido ao novo modelo de venda de propriedade, como Crizin da Z.O/Harari/Criptoputo, artista da zona oeste carioca, e André Abujamra, compositor do duo Mulheres Negras e da banda Karnak. Como boa parte dos colecionadores operam em dólares, a venda de NFTs pode acabar sendo muito lucrativa para os artistas brasileiros.

“No Spotify, as músicas do meu último álbum, “Emidoinã — A alma de fogo” (de 2020), teve mais de 150 mil audições e me pagaram oito centavos. Em duas semanas, com 80 segundos de música, pelo NFT, arrecadei mais dinheiro do que com a minha carreira inteira de Mulheres Negras, Karnak e André Abujamra. Para ganhar mil dólares com o Spotify, vai demorar 37 encarnações!”, contou Abujamra a O GLOBO.

No Brasil, a plataforma Phonogram.me busca acelerar o mercado de NFTs para valorizar artistas e produtores musicais nacionais. “O Phonogram.me vem para valorizar o âmbito da música gerando monetização a cada player, compartilhamento e reprodução. Além disso, o senso de comunidade dentro da plataforma é muito grande, visto que além de um gerador de renda, é possível tornar-se uma gravadora ou até investir na carreira de um artista”, diz o produtor musical Lucas Mayer, criador da plataforma junto com a curadora Janara Lopes.

No fim das contas, o que é o NFT? Pelo que nos parece, o sistema parece uma forma inovadora, mas que ainda tem que se provar, de transações de propriedade digital. Se a instabilidade dos valores e a falta de regulação ou proteção legal preocupam, ele parece ser uma boa alternativa para um momento em que a cultura anda em crise econômica por conta da pandemia de covid-19.

NFTs e a questão ambiental

Uma grande preocupação que envolve o novo mercado de NFT e seu crescimento acintoso tem sido o impacto ambiental desse sistema.

Quanto mais uma moeda digital é utilizada, mais ela precisa de computadores para validar as suas transações e para minerar mais valores.

Hoje, o bitcoin, moeda digital mais utilizada do mundo, tem centenas de fazendas espalhadas pelo planeta. São galpões com milhares de processadores procurando encontrar mais códigos válidos da moeda e validando transações dentro do protocolo da rede BTC.

blockchain energia; o que é nft

Na Rússia, bilionário Alexei Kolesnik comprou a planta de distribuição de energia de Kizelovskaya para conseguir alimentar sua fazenda de bitcoins

Essa grande quantidade de computadores ligados diariamente de forma ininterrupta acaba consumindo grandes quantidades de energia. Para se ter uma ideia, o BTC, hoje, consome 0,6% de toda a energia do mundo, mais do que todos os moradores da Argentina juntos.

Por isso, muitas pessoas atentam para os perigos do crescimento do mercado de criptomoedas. Existem hoje alguns sistemas diferentes, como o staking, que requer uma capacidade menor de processamento para validar os processos, mas ainda é difícil ver uma reduçãno consumo de energia no mercado de criptomoedas.

O sistema de blockchain promete afetar o mundo da economia, como já mudou, da propriedade intelectual e digital, como está mudando, e ainda vai estender suas garras para a forma como consumimos e produzimos energia e até para a nossa democracia. Portanto, é bom ficar de olho não só em o que é o NFT, mas como todo o modelo de criptomoedas vai mudar a nossa vida em futuro mais próximo do que imaginamos.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.