Debate

O que é pobreza menstrual e como ela afeta mulheres em situação vulnerável

Redação Hypeness - 07/04/2021 | Atualizada em - 09/04/2021

A pobreza menstrual afeta mulheres e meninas em todo o mundo. O acesso a produtos sanitários, espaços seguros e higiênicos para utilizá-los e o direito de administrar a menstruação sem vergonha ou estigma são essenciais para quem menstrua.

Mas para muitas, isso não é uma realidade. Este não é apenas um risco potencial para a saúde – também pode significar que a educação de mulheres e meninas, seu bem-estar e, às vezes, vidas inteiras são afetadas.

pobreza menstrual e como ela afeta mulheres em situação vulnerável

A pobreza menstrual afeta mulheres em situação vulnerável no mundo todo

Em 2014, a Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu o direito das mulheres à higiene menstrual como uma questão de saúde pública e de direitos humanos. A própria ONU estima que uma em cada dez meninas perdem aula quando estão menstruadas.

Conforme a Covid-19 se espalha para a África, Sudeste Asiático e América Latina, os mais vulneráveis ​​do mundo estão enfrentando uma catástrofe de proporções imensas.

No Brasil, aproximadamente 1,5 milhão mulheres vivem em casas sem banheiros e cerca de 213 mil meninas que frequentam escolas não têm banheiros em condições ótimas de uso – 65% dessas garotas são negras.

No sistema prisional brasileiro, onde 62% das mulheres são negras e 74% são mães, a lei obriga o Estado a fornecer assistência material e de saúde às presas. Mas 60,9% delas entende que a quantidade de absorventes oferecidos é insuficiente.

A maioria das presas depende do kit levado pelos familiares em dias de visita ou enviados por correio. Durante a pandemia, com a proibição das visitas, elas ficaram sem os produtos básicos de higiene.

Desde 2018, o projeto Nós Mulheres faz campanhas de arrecadação de absorventes e produtos de higiene pessoal para mulheres presas.

Pobreza menstrual pelo mundo

Para se ter ideia da dimensão do problema, uma em cada 10 meninas na África faltam à escola porque não têm acesso a produtos sanitários ou porque não há banheiros privados seguros para usar na escola.

Só no Quênia, aproximadamente 50% das meninas em idade escolar não têm acesso a produtos sanitários. Já na Índia, aproximadamente 12% de seus 355 milhões de mulheres menstruadas não podem comprar produtos menstruais.

E o problema não está apenas em países em desenvolvimento. Estima-se que cerca de 137 mil meninas no Reino Unido faltam à escola todos os anos devido à falta de acesso a produtos sanitários.

Uma pesquisa da Universidade de Queensland descobriu que, na Austrália, as mulheres jovens se sentiram forçadas a roubar absorventes menstruais porque os pacotes podem custar até US $ 10 cada.

Mulheres sem-teto também eram particularmente vulneráveis ​​ao alto preço dos produtos menstruais, com milhares admitindo usar roupas velhas, jornais e até folhas durante o ciclo ou roubar em supermercados.

Alguns estados dos EUA aprovaram leis que obrigam as escolas a fornecer produtos de época aos alunos, considerando-os tão essenciais quanto o papel higiênico. As prisões federais do país só tornaram produtos menstruais gratuitos em 2018.

“Atender às necessidades de higiene de todas as adolescentes é uma questão fundamental de direitos humanos, dignidade e saúde pública”, disse Sanjay Wijesekera, ex-Chefe de Água, Saneamento e Higiene do UNICEF.

Acabar com a “pobreza menstrual” aumentou visivelmente mais consciência na grande mídia nos últimos anos.

Neste ano, o presidente francês Emmanuel Macron renovou a promessa feita em dezembro de que a dignidade das mulheres deve ser protegida do que ele chamou de “injustiça invisível” que não poderia mais ser tolerada.

O plano da França segue a decisão da Nova Zelândia de lançar produtos gratuitos para todos os alunos no início deste mês, e da Escócia, que se tornou o primeiro país a tornar os produtos periódicos gratuitos em 2020.

A higiene menstrual inadequada afeta populações no mundo todo, e as mulheres que vivem na pobreza são especialmente vulneráveis.

Quem é afetado?

A saúde menstrual não é apenas um problema das mulheres. Globalmente, 2,3 bilhões de pessoas vivem sem serviços de saneamento básico e nos países em desenvolvimento, apenas 27% das pessoas têm instalações adequadas para lavar as mãos em casa, de acordo com a UNICEF.

Absorventes

É dever do Estado fornecer materiais e condições de saneamento básico para a higiene

A impossibilidade de usar essas instalações torna mais difícil para as mulheres e meninas administrar a menstruação com segurança e dignidade.

Meninas com necessidades especiais e deficiências não têm acesso às instalações e recursos de que precisam para uma higiene menstrual adequada. Viver em áreas afetadas por conflitos ou após desastres naturais também torna mais difícil para mulheres e meninas controlar a menstruação.

Publicidade

Foto Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.


Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Ângelo, atleta da ginástica vítima de racismo, se defende de acusação de homofobia