Sustentabilidade

Schoonschip: o bairro flutuante, sustentável e autossuficiente em Amsterdã

Vitor Paiva - 01/04/2021

O bairro de Schoonschip é formado em Amsterdã por 46 residências sustentáveis e autossuficientes onde vivem cerca de 100 pessoas em um projeto urbano inteligente e ecológico – e flutuante. Sim, as casas que formam a região ao norte da capital holandesa foram construídas sobre as águas do rio IJ e conectadas a um cais inteligente para tornar real o projeto da comunidade flutuante mais sustentável de toda Europa.

O bairro de Schoonschip

O bairro de Schoonschip é o flutuante mais sustentável de toda Europa © Space Matter

-Continua a aventura dos criadores do Hypeness: confira o top 5 laricas de Amsterdam

A iniciativa de construir o Schoonschip – que, em tradução livre, quer dizer “Navio limpo” – partiu de um grupo de entusiastas para tornar esse tipo de residência em uma iniciativa totalmente sustentável. Para tal, o escritório de arquitetura Space & Matter foi contratado para desenvolver o bairro, construído somente com material de baixo impacto, projetado para um consumo ecológico de energia, e inaugurado em 2010.

O bairro de Schoonschip

O sistema hidráulico reaproveita toda água do bairro © Space Matter

-Conheça as Earthships, as casas mais sustentáveis do mundo

500 painéis solares fornecem a energia para o “Navio Limpo” de Amsterdã, que aquece a água através de 30 bombas sustentáveis, e reutiliza os dejetos de esgoto, transformando-os em biogás e fertilizante em uma verdadeira biorefinaria flutuante. A produção dessa biorefinaria é utilizada para fertilizar os jardins que cobrem os telhados de cada uma das casas – e que ajudam a resfriar o interior das construções no verão holandês. O consumo de gás no bairro flutuante é zero.

O bairro de Schoonschip

O nome do bairro de Schoonschip quer dizer “Navio Limpo” © Facebook

-Estas casas autossuficientes são impressas em 8 horas

Além de um bairro agradável, a ideia do Schoonschip é servir como um exemplo pioneiro para o uso das tecnologias pela construção de casas, regiões e cidades sustentáveis. Os moradores pensam juntos em formas de reutilizar dejetos e otimizar recursos, além de manter o compromisso sustentável geral – ninguém que mora no bairro, por exemplo, possui carros que utilizem combustível fóssil, e muitos dividem o uso de automóveis elétricos no dia a dia.

O bairro de Schoonschip

O rio IJ congelado no inverno holandês © Facebook

-Energia renovável: o futuro que já chegou

O bairro de Schoonschip

As 46 casas de Schoonschip fazem parte das 2.500 residências flutuantes da cidade © Facebook

As casas-barco de Amsterdã

As casas flutuantes são comuns em Amsterdã que possui um quarto de seu território abaixo do nível do mar, e sobre as águas do IJ e do famoso rio Amstel estima-se que existam mais de 2.500 casas-barco na cidade. Trata-se de uma solução interessante para os diversos problemas que o aumento do nível do mar pode provocar, em construções que podem facilitar o uso de sistemas inteligentes e ecológicos de energia, reutilização de água e refinamento do saneamento.

O bairro de Schoonschip

O saneamento básico é refinado em adubo para os jardins do bairro © Space Matter

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Sustentabilidade ambiental: conceito ganha força com crise dos anos 80