Futuro

Sustentabilidade social: por que ela é fundamental para um futuro mais justo?

Redação Hypeness - 13/04/2021

O termo pode confundir, mas sustentabilidade social não tem só a ver com a preservação do meio ambiente. Ele se refere a um conjunto de ações que pretendem transformar a sociedade em vários níveis, como na política, na economia e, é claro, também em questões ambientais

Empreendedorismo social: quando o lucro vai além do capital

Vista de cima do bairro de São Conrado: contraste da favela da Rocinha com os prédios de classe alta mais próximos ao mar.

Ignacy Sachs, pesquisador polonês conhecido por ser um “ecossocioeconomista”, foi um dos primeiros a lançar luz sobre a necessidade de convergir o debate unindo aspectos sociais, econômicos, ecológicos e políticos. Já na década de 1970, ele mostrava que reduzir a desigualdade social e criar uma sociedade com uma melhor distribuição de renda seria fundamental para preservar o futuro. 

O conceito de sustentabilidade social tem suas bases na publicação do Relatório Brundtland, em 1987. Liderado pela pesquisadora e ex-primeira-ministra da Noruega Gro Harlem Brundtland, o documento foi produzido pela Secretaria Geral da Organização das Nações Unidas. Aquela foi a primeira vez que o desenvolvimento sustentável foi abordado de forma tão abrangente. 

Algumas escolhas capazes de trazer a sustentabilidade para o nosso dia a dia

O economista franco polonês Ignacy Sachs.

Pensar na sustentabilidade social é desenvolver ações práticas que interfiram positivamente na vida do coletivo. Não é como se essas medidas favorecessem apenas pessoas de classes mais pobres. Toda a sociedade é beneficiada quando práticas socialmente sustentáveis são aplicadas. 

Leia abaixo um trecho do Relatório Brundtland:

“No mínimo, o desenvolvimento sustentável não deve pôr em risco os sistemas naturais que sustentam a vida na Terra: a atmosfera, as águas, os solos e os seres vivos. Na sua essência, o desenvolvimento sustentável é um processo de mudança no qual a exploração dos recursos, o direcionamento dos investimentos, a orientação do desenvolvimento tecnológico e a mudança institucional estão em harmonia e reforçam o atual e futuro potencial para satisfazer as aspirações e necessidades humanas.”

Outro documento relevante nesse sentido é a chamada Agenda 21. Ela foi assinada por quase 180 países durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente. O evento aconteceu no Rio de Janeiro em 1992. Por conta disso, se tornou conhecido como ECO-92.

O relatório tinha como objetivo pensar no desenvolvimento econômico baseado em estruturas sustentáveis, tanto no aspecto ambiental quanto no social. 

A redução da violência é um exemplo prático

A lógica da sociedade sustentável é educar, preservar e equilibrar. Para que as pessoas se conscientizem de seu dever social e lutem pela desigualdade, é preciso construir uma estrutura que favoreça essa educação. O crescimento econômico seria mera consequência dessas ações.

É inegável o poder de um ensino público de qualidade na transformação de um mundo mais justo. Uma sociedade com cada vez mais pessoas matriculadas na educação formal resulta em profissionais capacitados e em um melhor nível cultural da população. Como consequência, pode-se observar uma melhora na qualidade de vida em todas as camadas sociais. 

Uma sociedade com acesso à informação e com nível cultural maior é mais capaz de entender os problemas que a atingem, desenvolver soluções e respeitar o meio-ambiente. 

Preocupação ambiental já mudou hábitos de 75% dos consumidores, aponta levantamento

A redução da violência também é uma consequência disso. Estudos mostram que investir na educação pública oferece um caminho melhor a longo prazo principalmente para jovens de baixa renda. 

Que tipos de ações são consideradas socialmente sustentáveis?

Além do Estado, organizações não governamentais e empresas privadas desempenham um papel importante na promoção de ações sustentáveis. 

A implementação de projetos educativos gratuitos e o oferecimento de cursos de qualificação profissional são apenas alguns exemplos de como é possível investir em uma sociedade mais justa.

Já falamos aqui no Hypeness sobre empreendedorismo social. O termo define o modelo de negócio de empresas que conseguem se sustentar e gerar lucros, ao mesmo tempo que promovem o desenvolvimento da sociedade. Grandes empresas têm focado esforços em fortalecer suas áreas de responsabilidade social.

Elas focam seus esforços em gerar produtos e serviços que sejam socialmente aceitáveis e transformadores. Neste tipo de organização a meta não é só ter retorno financeiro, mas também resolver problemas sociais que valorizem seu tipo de negócio.

Publicidade

Destaques: Unsplash // Foto: Alberto Coutinho/AGECOM


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.