Inovação

Cães treinados já são capazes de detectar Covid-19 em menos de um segundo

Redação Hypeness - 31/05/2021 | Atualizada em - 02/06/2021

Mais rápido do que o PCR e mais preciso do que os testes de fluxo lateral, as armas mais recentes contra a Covid-19 têm quatro pernas, um nariz molhado e muita lealdade. Um estudo publicado recentemente descobriu que pessoas infectadas com o coronavírus exalam um cheiro particular que podem ser identificados com precisão por cães treinados.

A Dra. Claire Guest sempre foi fascinada por cachorros e pela relação deles com os humanos. Depois de estudar psicologia, ela trabalhou para Hearing Dogs for Deaf People, onde conheceu uma mulher que disse que seu dálmata de estimação havia diagnosticado um melanoma maligno em sua panturrilha.

Cães treinados já são capazes de detectar Covid-19 em menos de um segundo

Cães treinados já são capazes de detectar Covid-19 em menos de um segundo

Em 2002, Claire uniu forças com um cirurgião ortopédico, John Church, para testar se os cães poderiam ser treinados para distinguir entre urina de pessoas saudáveis ​​e aquelas com câncer de bexiga. A pesquisa, publicada no BMJ, mostrou que sim.

Assim, em 2008 foi oficialmente formada a Medical Detection Dogs. A instituição de caridade treina cães de companhia que podem detectar mudanças de odor em pessoas com diabetes tipo 1 e outras doenças graves, emitidas pouco antes de sua saúde se deteriorar, alertando-os para agirem.

O grupo também pesquisa a capacidade dos cães de detectar câncer e outras doenças, incluindo o mal de Parkinson. Quando a pandemia atingiu, Claire tinha acabado de concluir um estudo com a Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres (LSHTM), demonstrando que os cães podem detectar a malária.

Tala é um dos seis cães que participaram do estudo da Covid – que ainda não foi revisado por outras instituições ou pesquisadores. Ele descobriu que os cães podiam detectar Covid-19 em roupas usadas por pessoas infectadas com até 94,3% de sensibilidade: eles identificariam corretamente 94 em cada 100 pessoas infectadas. Isso se compara a uma sensibilidade de 58-77% para testes de fluxo lateral e 97,2% para testes de PCR.

Tala é uma pioneira em matéria de cães farejadores

Tala é uma pioneira em matéria de cães farejadores

No entanto, os cães superam os testes de PCR em velocidade, fazendo um diagnóstico em menos de um segundo. “Isso inclui pessoas que são assintomáticas e também pessoas com baixa carga viral”, disse o professor James Logan da LSHTM, que co-liderou o estudo.

Tala foi o farejador mais preciso, alcançando 94,5% de sensibilidade e uma especificidade de 92% – a proporção de pessoas não infectadas que ela identificaria corretamente. Quando identifica o vírus, ela abana o rabo. Cada cão tem um “sinal” diferente. Millie, uma golden retriever, senta-se e solta um gemido. Outros cães ficam imóveis.

Tala é uma pioneira em matéria de cães farejadores. Ela esteve envolvida no estudo original do câncer de bexiga – e posteriormente diagnosticou um tumor em estágio inicial no seio de Claire. “Ela apenas ficou me olhando e cutucando”, disse ao The Guardian.

Raças dcomo spaniels, retrievers e labradores são cães de detecção particularmente bons. “Estes são cães que simplesmente adoram investigar”, disse Claire. “Eles também são muito amigáveis ​​e gostam de trabalhar em lugares públicos.”

Leva de oito a 10 semanas para treinar um cão de detecção Covid-19. Eles são recompensados ​​com uma guloseima comestível ou bola por indicar corretamente uma amostra positiva ou ignorar corretamente uma amostra negativa. Para o estudo da Covid, os cães foram treinados com camisetas, meias e máscaras doadas – alguns dos quais tiveram teste positivo para Covid.

Cada cão tem uma dica diferente: alguns emitem um som de ganido enquanto outros ficam imóveis.

Por mais precisos que sejam, os cães nunca substituirão os testes de PCR. Embora possam ser úteis em aeroportos, onde podem rastrear rapidamente os passageiros que desembarcam, os identificados exigiriam um teste PCR confirmatório e colocados em quarentena enquanto aguardam os resultados – mas isso incomodaria muito menos pessoas do que exigir que todos fiquem em quarentena e façam testes PCR.

O maior desafio é aumentar a escala: o treinamento leva tempo e requer roupas usadas por indivíduos infectados e não infectados. O trabalho está em andamento para identificar quais moléculas de odor os cães estão detectando; isso poderia permitir a fabricação de um “pseudo-odor”, aumentando o número de cães que poderiam ser treinados.

Será que veremos cães farejadores de Covid em aeroportos no futuro próximo? Pensando que projetos parecidos estão em andamento em países como Finlândia, França e Líbano, parece totalmente possível.

Publicidade

Fotos: Medical Detection Dogs/Divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
O iate de 500 milhões de dólares de Jeff Bezos