Debate

Claudia Leitte pede desculpas por fala vazia sobre Brasil e lista o que lhe causa indignação

Karol Gomes - 25/05/2021 às 15:08 | Atualizada em 25/05/2021 às 15:23

“A minha indignação? Eu tenho um coração pacificador, Serginho. Eu me indigno, sou capaz de virar tudo pelo avesso, de chutar as barracas, mas todo mundo tem um lugar onde pode brilhar uma luz para desfazer o que está acontecendo. E se essa luz se acender, obviamente, não vai ter escuridão. Acho que eu me declarei”. Essa foi a resposta de Claudia Leitte quando perguntada por Serginho Groisman, no “Altas Horas”, sobre a sua indignação

Considerando que o Brasil passa por momentos de crises política, econômica e de saúde pública, o discurso da cantora acabou incomodando a audiência do programa, que fez duras críticas nas redes sociais sobre seu posicionamento (ou a falta de). Em resposta, Claudia Leitte usou seu Instagram na noite desta segunda-feira (24) para se defender. 

– Henri Castelli é visto em festa clandestina em plena pandemia de covid-19

A cantora assumiu que não fez bom uso do seu tempo no programa, exibido no último sábado (22) e que deveria ter aproveitado o momento para protestar pelas mortes causadas pela Covid-19 e o descaso do governo federal com a pandemia. “Mais que um desabafo, esse era um momento que eu precisava ter muita consciência do meu papel social e eu não tive. Não sei porque, cargas d’água, dei uma resposta evasiva naquele momento e, desde que saí do programa, estou reflexiva”, começou.

– Covid: prefeito e vice descumprem decreto e são filmados bebendo em aglomeração

Enquanto as outras convidadas do programa, Ana Maria Braga e Deborah Secco, citaram os problemas do Brasil e a falta de vacinas, Claudia resolveu se isentar de comentários políticos, os quais ela agora admite que, como artista, tem um papel de fazer “entretenimento com propósito”. 

Claudia Leitte faz mea culpa sobre isenção

“Eu acho que um artista tem um papel que precisa ficar muito claro. Eu subo num palco para cantar e eu sirvo o outro através da minha música, faço entretenimento, mas faço com uma missão, um propósito. E quando saio do palco, em qualquer situação, continuo sendo cidadã, mas se tenho o microfone ligado, continuo representando aquelas pessoas, servindo aquelas pessoas. Eu precisava ter falado das minhas indignações para levantar questões, discussões saudáveis, conversas a respeito daquilo, mudanças de atitudes, comportamentos dentro da sociedade”, continuou.

– Fiscais acabam com baile da 3ª idade com 190 idosos em plena alta de casos de covid-19

Em seguida, Claudia finalmente respondeu a pergunta do apresentador e listou as coisas que a indignam no Brasil. “Me indigna o fato das pessoas que não usam máscaras, continuam promovendo e incitando aglomerações. Isso mata, está comprovado. O número alarmante de mortos é desesperador. O noticiário sangra todos os dias. O número de pessoas passando fome é revoltante, triste, desesperador, sufoca. E eu não falei sobre isso. Não falei sobre as mulheres que estão sofrendo violência doméstica e não têm abrigo, porque com seus filhos são abusadas dentro de casa. Não falei que me indigno com o fato de que não tem vacina para todo mundo no meu país”, declarou.

Publicidade

Foto: Reprodução/Instagram


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Canais Especiais Hypeness