Debate

Covid: governo recebeu ao menos 10 emails da Pfizer sobre vacinas. E ignorou

Yuri Ferreira - 21/05/2021

Documentos obtidos pela CPI da Pandemia revelaram que a Pfizer enviou pelo menos 10 e-mails para o governo federal tentando respostas para suas ofertas de venda de vacina contra o novo coronavírus, que já matou mais de 444 mil brasileiros desde março do ano passado.

– Governo federal rejeitou 11 ofertas de vacina, incluindo da Pfizer, afirma blog 

Os depoimentos de Fábio Wanjgarten, ex- Secretário de Comunicação da Presidência da República, e Carlos Murillo, CEO da Pfizer na América Latina, revelam que o governo federal não respondeu a diversos contatos da farmacêutica para aquisição de vacinas contra a covid-19.

Governo Bolsonaro recusou 11 propostas de vacinas, incluindo Pfizer, Coronavac e Covax Facility

Os documentos liberados pela empresa à CPI da Pandemia mostra que houve 10 e-mails enviados por funcionários da empresa ao Ministério da Saúde que foram ignorados entre agosto e dezembro do ano passado. Um dos principais argumentos do governo, inclusive, para a não-aquisição da vacina era um impedimento legal por conta da não-aprovação da vacina pela própria Anvisa.

– Lockdown efetivo e vacinação em massa viabilizam reabertura de pubs no Reino Unido 

A Pfizer afirmou que existiam dispositivos legais que poderiam firmar a compra das doses sem a emissão de uma nova Medida Provisória.

“Encaminhamos nesta quinta-feira os pareceres jurídicos que confirmam que a proposta enviada pela Pfizer está prevista no direito público e pode ser assinada pelo governo, de acordo com a lei 8666, bem como as informações sobre compras/contratos internacionais realizados entre a Pfizer e o Ministério da Saúde para aquisição da vacina ACWY e medicamento Vyndaqel”, disse um email da empresa.

Carlos Murillo, CEO da Pfizer, afirmou que foi ignorado diversas vezes pelo governo federal na tentativa de vender vacinas contra a covid-19

Em e-mails enviados a CPI, funcionários da Pfizer suplicam por uma resposta do MS. “A validade das propostas continua sendo a mesma, até 29 de agosto de 2020, e gostaria de saber, com urgência, do interesse deste ministério em iniciar conversações sobre aspectos legais e jurídicos da presente proposta”, diz um e-mail.

– Como o Brasil se tornou o pior país na gestão da pandemia, segundo estudo 

A alegação do governo federal é que não deu respostas definitivas porque desejava melhores termos nas negociações. Caso tivessem fechado um contrato com a Pfizer em agosto, o Brasil já teria vacinado 500 mil pessoas ainda em 2020 e teria outras 69 milhões de doses no primeiro semestre de 2021. Esses números triplicariam o número de pessoas imunizadas no país até agora.

 

 

Publicidade

Fotos: Destaques e Foto 1: © Getty Images Foto 2: Edilson Rodrigues/Agência Senado


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mulher descobre por reflexo traição de namorado que jurava estar assistindo as Olimpíadas