Estilo

Donna Summer foi ícone fashion absoluto por décadas e nós podemos provar

Redação Hypeness - 18/05/2021 | Atualizada em - 19/05/2021

A cantora Donna Summer foi muito mais do que a rainha da discoteca. Você sabia que ela também era pintora? Mais do que isso, que ela foi um grande ícone da moda entre os anos 70 e 80? Então vem com a gente que vamos te mostrar toda a potência dessa mulher incrível.

Donna Summer - Four Seasons Of Love

Donna Summer na capa do álbum “Four Seasons Of Love”

Donna começou sua carreira musical no colégio no final dos anos 1960, quando se tornou a vocalista de uma banda de rock psicodélico chamada Crow. Aos 18 anos, ela fez um teste em Nova York para uma produção teatral alemã do musical “Hair” e se mudou para Munique, onde passou vários anos morando, atuando e cantando na Europa.

Jack Mitchell/Getty Images

Michael Putland/Getty Images

Michael Putland/Getty Images

Michael Ochs Archive/Getty Images

Harry Langdon/Getty Images

Está experiência rendeu à Donna a habilidade de falar fluentemente alemão e também de se casar com um ator austríaco, Helmuth Sommer, cujo sobrenome anglicizado ela adotaria como nome artístico.

Summer foi indiscutivelmente a primeira artista negra a alcançar o estrelato pop, lançou um total de 42 singles de sucesso na Billboard Hot 100 dos EUA em sua vida.

Ela foi responsável pela abertura de portas para tantos artistas negros, até mesmo preparando o palco para Michael Jackson, que ganharia seu título de Rei do Pop nos anos 80.

Disco diva Donna Summer, November 1978. (Photo by Jack Mitchell/Getty Images)

Diva do disco Donna Summer, Novembro de 1978. (Foto por Jack Mitchell/Getty Images)

Suas músicas, apesar de frequentemente associada ao disco, muitas vezes transcendeu esse gênero. Seu hit disco de 1977 “I feel love” foi influente no desenvolvimento de new wave, synth-pop e, posteriormente, techno, sendo pioneira na música de dança eletrônica Euro-trance. Músicas como “Hot Stuff”, “On the Radio” e “Last Dance” também contêm elementos de pop, rock e R&B.

“Love to Love You, Baby”, em que Donna geme sensualmente sobre um primeiro groove techno Euro-metronômico, pode ser considerado um ponto de inflexão na cultura pop mainstream; aquele que liberou o sexo para os anos 1970 e afirmou que a sexualidade não precisava mais ser um tabu.

Álbum Bad Girls

Foto por Peter Raba

Michael Ochs Archives/Getty Images

Enquanto gravava, Donna estava supostamente deitada no chão em um estúdio quase escuro e se imaginando como Marilyn Monroe interpretando o papel de uma mulher em êxtase sexual.

Em “She Works Hard for the Money”, Summer celebrou de forma desafiadora as mulheres – especialmente as mulheres marginalizadas. Seu desempenho poderoso defendeu mulheres trabalhadoras e exigiu que elas fossem respeitadas.

Jeffrey Mayer/WireImage

Fin Costello/Getty Images

Sua imagem escultural, sensual e glamorosa combinava perfeitamente com o som de sua música. Ela também exigia respeito, sem abrir mão de seu direito de ser sexual. Ela era sexy, mas nunca desprezível; interpretando o papel de uma verdadeira diva superstar e abrindo caminho para a atual rainha da música, Beyoncé.

Ao saber da morte de Summer por câncer de pulmão em 2012, Knowles afirmou: “ela era muito mais do que a rainha da discoteca pela qual se tornou conhecida, ela era uma cantora honesta e talentosa com um talento vocal impecável. Sempre fui um grande fã e tive a honra de experimentar uma de suas músicas. Ela tocou muitas gerações e fará muita falta”.

Fin Costello/Getty Images

Joan Adlen/Getty Images

Provavelmente dançaremos Donna Summer nos próximos séculos, mas o mundo mal sabe que também podemos desfrutar de sua arte. A cantora também era artista visual e pintora ávida.

Quando entrevistada sobre seu trabalho antes de sua morte, em 2011, ela compartilhou um pouco desta história que pouco sabem:

Eu estudei arte quando era mais jovem e demorei um pouco para conseguir meu próprio estilo. Minhas pinturas são abstratas, mas não muito – quero dizer, você pode saber o que é que estou pintando – mas gosto de ser abstrata e pintar o que está na minha cabeça. O realismo está ao meu redor e, quando pinto, quero me expressar além do que vejo e sinto no mundo real. Quero pintar algo que ninguém mais possa pintar fora da minha cabeça

A litografia acima à esquerda está à venda no 1º Dibs por apenas 800 euros! Pense num bom investimento.

Donna Summer

Foto por Anwar Hussein/Getty Images

Mas, voltando à Donna, a rainha do estilo. Quando pudermos sair definitivamente do isolamento social, talvez pudéssemos usar um pouco de motivação dessa deusa da moda. E quem melhor para nos inspirar a dançar novamente sob nossa própria bola de espelho de discoteca do que a própria rainha, sem dúvida um dos ícones do estilo mais esquecidos, a lendária Donna Summer.

Diva do disco Donna Summer, Novembro de 1978. (Foto por Jack Mitchell/Getty Images)

Diva do disco Donna Summer, Novembro de 1978. (Foto por Jack Mitchell/Getty Images)

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.