Debate

Justiça condena empresa que reproduziu ‘paredão do BBB’ para demitir funcionária

Redação Hypeness - 25/05/2021 às 11:56 | Atualizada em 25/05/2021 às 12:05

Parece inacreditável, mas uma empresa de turismo no Ceará demitiu uma funcionária após votação dos colegas de trabalho. Esse “jogo” lembra algo? É assim que funciona o paredão de eliminação do reality show Big Brother Brasil. No caso da consultora de vendas, a vida não é um reality e a Justiça do Trabalho do estado condenou a companhia a pagar indenização por danos morais. 

A decisão foi publicada no início do mês de maio pela 16ª Vara do Trabalho de Fortaleza e determina o pagamento das verbas rescisórias, além dos danos morais. O juiz Ney Fraga Filho determinou um valor de R$ 14 mil como indenização à empregada demitida, a ser pago pelas empresas Somos Case Gestão de Timeshare e Multipropriedade e MVC Férias e Empreendimentos Turísticos e Hotelaria. 

– ‘Varre o chão com o cabelo’: Restaurante ‘desconstruidão’ é acusado de racismo e machismo

– Demissão de funcionária provoca enxurrada de denúncias de abuso contra grife de moda

As votações aconteceram como no confessionário do BBB

Paredão do BBB

Na ocasião da “votação”, os funcionários foram forçados a votar em um colega de trabalho e justificar a escolha. Assim, a consultora de vendas foi escolhida e mandada para o “paredão”. Em outras palavras, foi demitida. De acordo com a investigação da Vara do Trabalho, uma das testemunhas também foi desligada após se recusar a votar.

– Funcionários denunciam Loja Três por racismo, gordofobia e assédio moral

Como se a situação não pudesse ficar pior, a ex-funcionária informou ao Tribunal Regional do Trabalho do Ceará (TRT-CE) que foi demitida pouco mais de um mês após sua admissão, mas ainda não recebeu as verbas trabalhistas às quais tem direito no contrato. 

A consultora de vendas também relatou ter recebido tratamento constrangedor por parte de superiores, como restrição de idas ao banheiro e monitoramento de horários de refeições. Ela conta ainda que sofre com depressão e traumas psicológicos em decorrência dessa exposição no local de trabalho. 

– Jovens humilham funcionário do Bob’s, postam nos stories e são acusadas de racismo

Na contestação, a empresa Somos Case Gestão de Timeshare e Multipropriedade Ltda negou o vínculo de emprego com a denunciante. A empresa pede ainda que a profissional seja multada por litigância de má fé. A ré MVC Férias e Empreendimentos Turísticos e Hotelaria também alega que não houve relação jurídica com a vendedora, mas sustenta que ela foi empregada da outra empresa – ambas as companhias fazem parte do mesmo grupo econômico.

Publicidade

Foto: Reprodução/TV Globo


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Canais Especiais Hypeness