Inspiração

‘Parada do Orgulho LGBTQIA+’ de NY bane presença da polícia até 2025

Redação Hypeness - 21/05/2021 | Atualizada em - 24/05/2021

A Parada do Orgulho LGBTQIA+ da cidade de Nova York não mais terá a presença de policiais fazendo a segurança dos seus desfiles anuais até 2025. A decisão foi anunciada pela organização do evento, e visa reduzir a sensação de ameaça que a aparência e o comportamento dos policiais podem provocar sobre os membros da comunidade LGBTQIA+, trans e BIPOC, sigla em inglês que se refere às populações indígenas e negras. A determinação da decisão até 2025 visa revisar a mudança ao fim de tal prazo.

A Parada do Orgulho LGBTQIA+ de Nova York

A Parada do Orgulho LGBTQIA+ de Nova York foi a primeira do mundo © NYC Pride/divulgação

-Como e porque nasceu a bandeira arco-íris do movimento LGBTQ+ – e o que Harvey Milk tem a ver com isso

“A Parada do Orgulho de NY busca criar espaços mais seguros para as comunidades LGBTQIA+ e BIPOC [pessoas indígenas e negras, na sigla em inglês] em um momento em que a violência contra grupos marginalizados, especificamente comunidades BIPOC e trans, continua a aumentar”, afirmou em comunicado a Heritage of Pride, organização sem fins lucrativos que organiza os eventos de orgulho na cidade dos EUA, e que decidiu pela ausência da polícia da cidade. “A sensação de segurança que os policiais devem proporcionar pode ser ameaçadora, e às vezes perigosa, para aqueles em nossa comunidade que são frequentemente alvos de força excessiva ou sem motivo”, diz o comunicado.

Bandeira do Black Lives Matter na parada da cidade de 2019

Bandeira do Black Lives Matter na parada da cidade de 2019 © Getty Images

-Durante a 22ª Parada LGBT, Pabllo Vittar manda o recado: “Parem de nos matar”

De acordo com os organizadores, serviços privados contratados, voluntários e líderes comunitários convocados especialmente para a ocasião, ficarão responsáveis pela segurança das próximas edições do evento – a polícia de Nova York será chamada em casos “absolutamente necessários” e segundo as leis e determinações municipais. No ano passado, durante os protestos por conta do assassinato de George Floyd, cometido por um policial estadunidense, os diversos desentendimentos dos agentes policiais com os manifestantes levaram os organizadores a tal decisão.

Stonewall Inn, em Nova York, local da revolta que deu origem ao movimento, durante desfile recente

Stonewall Inn, em Nova York, local da revolta que deu origem ao movimento, durante desfile recente © Getty Images

-Dia contra a Homofobia: filmes que mostram a luta da comunidade LGBTQIA+ pelo mundo

“A Parada de NY não está disposta em contribuir de nenhuma forma para criar uma atmosfera de medo ou dano para os membros da comunidade”, diz o comunicado. A própria origem das Marchas do Orgulho LGBTQIA+ na cidade e no mundo – Nova York foi a primeira cidade a realizar a parada – está na violência policial contra a comunidade: a primeira edição do evento aconteceu em 1970, como protesto após um ano dos conflitos de Stonewall, quando a polícia da cidade invadiu um bar no bairro do Greenwich Village, em Nova York, para perseguir o público gay que frequentava o local.

A Parada passando em frente ao Stonewall Inn, no Village

A Parada passando em frente ao Stonewall Inn, no Village © Getty Images

-Juanita Holmes: mulher negra é nomeada para principal cargo da polícia de NY

No ano passado, quando o evento completou 50 anos, a pandemia da Covid-19 fez com que a parada acontecesse de forma totalmente virtual. Conforme os EUA vão promovendo vacinação em massa e assim retomando as atividades presenciais no país, a ideia é que esse ano a Parada já volte a acontecer parcialmente de forma presencial – e, assim, uma porta-voz da polícia de Nova York lamentou a decisão da organização.

A parada em NY

A parada em NY será parcialmente presencial em junho de 2021 © Divulgação/NYC Pride/Christopher Gagliardi

-A cidade que já foi uma das mais violentas dos EUA agora colhe os frutos da refundação da polícia

“Nosso trabalho anual para garantir uma temporada de Orgulho LGBT segura e agradável tem sido cada vez mais adotada por seus participantes. A ideia de os policiais serem excluídos é desanimadora e vai contra nossos valores compartilhados de inclusão e tolerância”, afirmou, em comunicado, a detetive Denise Moroney. “Dito isso, ainda estaremos lá para garantir a segurança do tráfego e boa ordem durante este evento enorme e complexo.”O desfile e as atividades virtuais acontecerão em junho.

Publicidade

© fotos: créditos


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Notice: date_default_timezone_set(): Timezone ID 'UTC-3' is invalid in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/part/home/brand-channel.php on line 29

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.