Debate

Traficante membro do cartel de Medellín é preso na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro

Vitor Paiva - 05/05/2021 | Atualizada em - 12/05/2021

O colombiano Efe Sullivan Loaiza Durango, de 36 anos, foi preso pela Polícia Federal em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, como traficante internacional e um dos coordenadores de logística para compra, venda e transporte de drogas do Cartel de Medellín. Durango mantinha negócios no Rio, mas controlava o caminho da cocaína, heroína, morfina e metanfetamina da Colômbia para principalmente os EUA, e vivia no Brasil há cinco anos.

O traficante colombiano Efe Sullivan Loaiza Durango

O traficante preso no Rio coordenava, segundo a PF, parte da logística do Cartel © PF/reprodução

-Por que ciência vê hipopótamos de Pablo Escobar como ameaça ao meio ambiente

Segundo a Polícia Federal, Durango era desde outubro um dos sócios e administradores de uma empresa de montagem de andaimes na cidade da Baixada Fluminense, no Rio, mas agia de fato como agiota e coordenador de um dos maiores cartéis de tráfico do mundo. O colombiano foi condenado nos EUA em 2019 pelos crimes de associação criminosa e tráfico de drogas, e estava em lista de foragidos da Interpol. O nome de Durango consta em uma lista publicada no Diário Oficial em julho de 2015 como um estrangeiro autorizado a permanecer no país pela Secretaria Nacional de Justiça.

-Colômbia vai despejar glifosato em plantações de coca para controlar tráfico

A suspeita recente foi levantada quando o colombiano tentava recentemente regularizar sua permanência no Brasil, e através de investigação da PF foi confirmado que ele estava foragido. Sua prisão foi decretada pelo Supremo Tribunal Federal, e formulada pelo Escritório Central Nacional da Interpol em Brasília. Durango será encaminhado para prisão a fim de ser extraditado para os EUA e cumprir a pena a qual foi condenado no país.

O Cartel de Medellín

Fundado no início dos anos 1970 por Pablo Escobar, o Cartel de Medellín se tornou a maior organização criminosa do mundo por mais de 20 anos. No auge de suas atividades, o Cartel chegou a lucrar 60 milhões de dólares por dia com o tráfico de drogas, em um orçamento que levantava até 20 bilhões de dólares por ano.

A cidade de Medellín

A cidade de Medellín funciona desde os anos 70 como um dos centros do tráfico de drogas global © Getty Images

-A história da esposa de El Chapo, presa recentemente, que tem até linha de roupas com nome do traficante

Pablo Escobar foi morto em 1993, e o Cartel perdeu bastante sua força, chegando a ser dado como extinto – nos últimos anos, porém, ficou claro que uma nova versão da organização possui hoje imenso poder e lucratividade.

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutor em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Fernando de Noronha vacina jovens de 18 anos e quer imunidade até fim de junho