Ciência

Animal invertebrado é ‘ressuscitado’ após 24 mil anos de congelamento

Yuri Ferreira - 08/06/2021

Já pensou em ficar 24 mil anos congelado e depois voltar à vida? Foi isso que ocorreu com um rotífero, um animal microscópico invertebrado descoberto por pesquisadores russos nas geleiras da Sibéria. Após todo esse tempo hibernando no gelo, o bichinho conseguiu viver normalmente e chegou a se reproduzir.

– Como a ciência germinou uma flor de 32.000 anos

A pesquisa está sendo conduzida pelo Instituto de Problemas Físico-Químicos e Biológicos em Ciências do Solo, em Pushchino, no oblast de Moscou.

Rotíferos são pequenos, mas descoberta pode mostram caminho incrível para cientistas

Resumidamente, os cientistas estão estudando os animais que ficaram congelados no permafrost, uma camada de gelo presente nas regiões próximas ao Ártico.

Um dos animais observados foi um rotífero. Segundo os pesquisadores, esse indivíduo estava congelado há pelo menos 24 mil anos, segundo as datações de laboratório. Após ser descongelado, o animal aquático seguiu sua vida normalmente, como se nada tivesse acontecido.

– Rinoceronte preservado por 20 mil anos é encontrado com 80% do corpo intacto na Sibéria

Na prática, ele ressuscitou. Mas, na verdade, ele nunca havia morrido. Assim como bactérias, vírus e protozoários, alguns animais de pequena complexidade celular também são capazes de ficar no estado de criptobiose, uma espécie de hibernação em que o metabolismo praticamente para, mas prestes a voltar a funcionar.

“Nosso estudo é a prova mais forte até o dia de hoje de que animais multicelulares podem aguentar milhares de anos em criptobiose, o estado em que praticamente não há metabolismo”, afirma Stas Malavin, chefe do estudo membro do Instituto de Problemas Físico-Químicos e Biológicos do Solo, em comunicado.

Permafrost pode ser decisiva para novas tecnologias da humanidade, mas seu descongelamento pode ser a raiz de novos problemas para o meio ambiente

– Filhote de 18 mil anos achado congelado na Sibéria pode ser cão mais velho do mundo

“A tese de que organismos multicelulares podem ser congelados e guardados por anos e anos e posteriormente ressuscitados pode parecer um devaneio de ficção científico. É claro que em organismos mais complexos, é mais difícil preservar a vida congelada e gerar a criptobiose. Em mamíferos, por exemplo, ainda não é possível. Entretanto, ver que isso não é comum apenas em vírus, bactérias e protozoários nos mostra um grande passo à frente.”, completou.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
O telescópio caçador de asteróides para identificar corpos perigosos que ameaçam a Terra