Diversidade

Atleta trans da Nova Zelândia é 1ª a competir na história das Olimpíadas

Redação Hypeness - 29/06/2021 | Atualizada em - 01/07/2021

A halterofilista transgênero Laurel Hubbard – que fez sua transição em 2013 – está entre as cinco levantadoras de peso da Nova Zelândia a competir nas Olimpíadas de Tóquio em julho de 2021. Ali, ela deve se tornar a primeira pessoa transgênero a competir nos jogos mundiais.

Enquanto dezenas de manifestantes fizeram vigília do lado de fora do New Zealand High Commision em Londres, se expressando contra a seleção da atleta, sua concorrente na categoria, Charisma Amoe-Tarrant, deu apoio.

Laurel Hubbard

Laurel Hubbard por Dan Mullan/Getty Images

“Tenho muito respeito por ela e desejo a ela e às outras levantadoras o melhor e espero que possamos todos nos reunir e desfrutar das Olimpíadas”, disse a jovem de 22 anos. “Porque esta Olimpíada agora é bem diferente em comparação com outras. Eu já competi com ela anteriormente e sempre tive bons bate-papos com ela, apenas desejo-lhe tudo de bom”.

A escolha pela diversidade

A escolha de levar Laurel para Tóquio reacende o debate em torno da questão altamente sensível e complexa da inclusão LGBT+ e justiça no esporte feminino.

Laurel é a levantadora de peso mais velha nos jogos, hoje com 43 anos. Ela vai competir na categoria superpesado de 87 kg.

“Estou grata e humilde pela gentileza e apoio que me foi dado por tantos neozelandeses”, disse em um comunicado divulgado pelo Comitê Olímpico da Nova Zelândia (NZOC).

Quando quebrei meu braço nos Jogos da Commonwealth, há três anos, fui informada de que minha carreira esportiva provavelmente havia chegado ao fim. Mas seu apoio, seu incentivo e seu aroha [amor] me levaram através da escuridão

Em 2015, o COI emitiu diretrizes permitindo que qualquer atleta transgênero competisse na categoria feminina, desde que seus níveis de testosterona estivessem abaixo de 10 nanomoles por litro de sangue, por pelo menos 12 meses antes de sua primeira competição.

Alguns cientistas disseram que as diretrizes fazem pouco para mitigar as vantagens biológicas daqueles que passaram pela puberdade como homens. Os defensores da inclusão transgênero argumentam que o processo de transição diminui significativamente essa vantagem e que as diferenças físicas entre as atletas significam que nunca existe um campo de jogo verdadeiramente nivelado.

Laurel Hubbard

Laurel Hubbard por Scott Barbour/Getty Images

Ardern ofereceu a Laurel todo o seu apoio. “Todas as partes aqui simplesmente seguiram as regras”, disse o primeiro-ministro da Nova Zelândia. “Esse é o caso de Laurel, mas também da equipe da Nova Zelândia, elas seguiram as regras.”

O ministro do Esporte, Grant Robertson, disse na terça-feira que “ela merece estar lá e nós a apoiaremos”, enquanto a líder da oposição conservadora, Judith Collins, disse que estava maravilhada com todos os atletas olímpicos e Hubbard “é quem ela é e ela está tentando fazer o seu melhor ”.

“Eu odiaria ver qualquer intimidação ou qualquer comentário horrível sobre Laurel porque ela está fazendo o que quer”, disse Collins.

Save Women’s Sport Australasia, um grupo que se opõe às mulheres transexuais competindo em esportes femininos, disse que a seleção de Hubbard foi permitida por “política falha do COI”, enquanto a australiana Deborah Lovely Acason, que competiu contra Hubbard na mesma categoria de peso nos Jogos da Commonwealth de 2018 , este ano escreveu que acreditava que sua inclusão arriscava afastar as meninas do esporte.

A própria Hubbard é tímida quanto à mídia e raramente dá entrevistas. Ela falou depois de machucar gravemente o cotovelo nos Jogos da Commonwealth, descrevendo a multidão australiana na Gold Coast como “um ambiente incrível … eles viveram de acordo com o mantra da humanidade, igualdade e decência”.

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.