Ciência

Betelgeuse tem enigma solucionado: estrela não estava morrendo, estava ‘parindo’

Vitor Paiva - 21/06/2021 | Atualizada em - 22/06/2021

Quando a estrela Betelgeuse diminuiu misteriosamente e de forma visível seu brilho, diversos astrônomos se mostraram surpreendidos e sem saber o que a alteração poderia representar. De lá para cá, diversos estudos buscaram explicar o motivo da alteração pela qual a estrela supergigante e avermelhada passou, e uma nova pesquisa enfim explicou o fenômeno: quem pensava que poderia representar uma supernova ou início da morte do astro, a estrela estava em verdade “parindo” – expelindo poeira estelar.

Posição de Betelgeuse na constelação de Orion

Posição de Betelgeuse na constelação de Orion © ESO

-China está construindo o maior telescópio do mundo

Localizada na Constelação de Orion, Betelgeuse apresentou um escurecimento significativo em sua parte sul em janeiro de 2019, em processo que se intensificou entre o final de 2019 e o início de 2020 – o fenômeno foi acompanhado por astrônomos através do Very Large Telescope (VLT) localizado no Chile. “Pela primeira vez, estávamos vendo o aparecimento de uma estrela mudando em tempo real em uma escala de semanas”, afirmou em comunicado Miguel Montargès, líder da equipe e pesquisador do Observatório de Paris, na França. Em abril de 2020, porém, o brilho da estrela voltou ao normal, e a explicação enfim começou a surgir.

A mudança no brilho da estrela ao longo dos meses

A mudança no brilho da estrela ao longo dos meses © ESO

-Cientistas dizem ter identificado a mais forte e brilhante explosão de estrela na história

Segundo o estudo publicado na revista Nature, pouco antes de escurecer, a estrela gigante expeliu uma imensa bolha de gás, que se afastou. Em seguida parte de sua superfície esfriou e essa redução de temperatura fez o gás se condensar e se transformar em poeira estelar. “A poeira expelida de estrelas evoluídas frias, como a ejeção que acabamos de testemunhar, pode se tornar os blocos de construção dos planetas rochosos e da vida”, afirmou Emily Cannon, pesquisadora da Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, e uma das autoras da descoberta.

As quatro unidades telescópicas do VLT no Chile

As quatro unidades telescópicas do VLT no Chile © Wikimedia Commons

-Telescópio com tecnologia brasileira localiza estrela mais velha que o Sol

Por se tratar de uma estrela com 8,5 milhões de anos, inicialmente se supôs que a alteração pudesse significar o fim da vida de Betelgeuse – em supernova que poderia provocar um grande espetáculo por semanas ou meses no céu: o estudo confirmou, porém, que a perda momentânea de brilho não indica a morte da estrela. Em 2027, o Extremely Large Telescope, ou ELT, será inaugurado no Chile como o maior telescópio do mundo, e descobertas ainda mais incríveis sobre estrelas e outros corpos celestes são esperadas a partir de então.

O forte brilho de Betelgeuse no alto, à esquerda

O forte brilho de Betelgeuse no alto, à esquerda © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é mestre e doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Publica artigos, ensaios e reportagens, é autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.


Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Consumo alto de café está associado a maior risco de demência, diz estudo