Sustentabilidade

Com florestas transformadas em pastos, município do Pará tem alta de temperatura

Yuri Ferreira - 14/06/2021 | Atualizada em - 15/06/2021

Um estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária em parceria com a UNESP e a Universidade Federal de Viçosa mostrou que as temperaturas da cidade de Belterra (PA) aumentaram devido ao aumento do desmatamento na região nos últimos anos.

– ‘Amazônia em chamas’: doc põe navalha na carne, principal causadora do desmatamento no Brasil

Desmatamento pode aumentar temperaturas médias de regiões

O estudo publicado na Revista Brasileira de Meteorologia tinha como principal objetivo entender a influença da Floresta Nacional dos Tapajós na cidade, que se tornou um polo de produção de grãos e alvo da desflorestação a partir de 1981, que se expandiu até 2010, último ano analisado pela pesquisa.

Os pesquisadores analisaram os dados meteorológicos entre 1961 e 2010. Foi a partir do ano de 1981 que as temperaturas médias de Belterra passam a crescer de maneira observável. Entre 1981 e 2010, as médias da região subiram de 25,2ºC para 26ºC (variação de 0,8ºC). As temperaturas mínimas médias também subiram, de 20,4º para 21,2ºC, no ano final do período.

– Amazônia com terras protegidas para venda no Facebook e 7 agrotóxicos super tóxicos para humanos aprovados

“Os processos de preparo do solo, por exemplo, dispersam partículas para a atmosfera, contribuindo para a formação de nuvens e impedindo a condução do calor para a atmosfera. Isso possivelmente contribui para o aumento das temperaturas mínimas nas madrugadas em Belterra”, explica Lucas Eduardo de Oliveira Aparecido, coautor do estudo, á Agência Bori.

A conclusão do artigo mostra que a influência e os benefícios da Floresta Nacional do Tapajós inexistem caso as cidades em suas proximidades estejam totalmente desmatadas; além disso, o estudo evidencia que a agropecuária violenta e seu modo de produção irá colaborar para o esgotamento real dos recursos naturais.

– Fumaça de queimadas gerou quase R$ 1 bi de gastos com internações para estados amazônicos

“Se os produtores rurais na Amazônia não receberem apoio de políticas públicas que incentivem a mudança desse paradigma – de que áreas com floresta não prestam bens e serviços à sociedade – os problemas relacionados à perda dessas áreas se perpetuarão”, completa Lucieta Guerreiro Martorano, que também assina o estudo.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.