Ciência

Covid: quem não come carne possui 73% menos chances de ter quadro grave da doença

Redação Hypeness - 15/06/2021

Um estudo publicado no British Medical Journal avaliou que pessoas vegetarianas possuem 73% a menos de chance de desenvolverem quadros graves de covid-19.

A pesquisa também observou o impacto da dieta pescetariana (com peixes e plantas) e comparou as práticas alimentares com o desenvolvimento do vírus em um grupo de pacientes.

– 57% aumentaram o consumo de vegetais e 44% mudaram hábitos alimentares na pandemia, aponta pesquisa

Dietas vegetarianas estão relacionadas a quadros mais leves da covid-19

Foram entrevistados mais de 2 mil médicos que testaram positivo para a covid-19 e responderam perguntas em um longo questionário. Segundo a pesquisa, aqueles que apresentaram uma dieta baseada em plantas com mais carboidratos tiveram um desenvolvimento menor do quadro grave da doença.

– ‘Amazônia em chamas’: doc põe navalha na carne, principal causadora do desmatamento no Brasil

Em comparação aos médicos que consumiam carne, os vegetarianos tinham 73% a menos de chance de desenvolver a forma grave da covid. Já os pescetarianos, que se alimentam com peixes e plantas, tinham uma chance 59% menor de evoluir para quadros graves.

O estudo precisa de mais dados para ter caráter definitivo. Isso porque a metodologia de entrevistas e questionários não é necessariamente a mais adequada para a garantia dos resultados objetivos. Além disso, mais de 90% dos entrevistados eram homens, o que indica que o estudo pode não ser necessariamente representativo da maior parte da população.

Entretanto, os pesquisadores acreditam que os dados indicam que o desenvolvimento grave da doença está relacionado a um maior consumo de proteínas em detrimento dos carboidratos. Segundo os pesquisadores, os médicos que adotavam uma dieta mais similar a lowcarb, com alta ingestão proteica e baixo nível de carboidratos, tinha uma chance 400% maior do que o normal.

Leia também: ONU: consumo elevado de carne responde por 70% de novas doenças em humanos

“Por ser um estudo caso-controle, com um grupo pequeno de pessoas e uma metodologia que utiliza autorrelato, são várias as limitações. Os resultados apresentados devem ser considerados como apenas sugestivos e estudos mais robustos devem ser desenvolvidos para entender a relação da alimentação e infecção da Covid-19 de forma mais direta”, afirma o estudo.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.