Ciência

Crânio descoberto na China pode ser de nova espécie de ser humano

Redação Hypeness - 25/06/2021

Um crânio descoberto na China pode dar novas pistas sobre a origem da humanidade. O “Homem Dragão”, como foi chamado, é parte do esqueleto de um indivíduo encontrado na cidade de Harbin, na província de Heilongjiang, no norte do país asiático.

Os cientistas analisaram a composição química do fóssil e determinaram que o crânio tinha pelo menos 146 mil anos de idade e, no máximo, 309 mil anos.

– Fósseis mostram que Homo erectus teve sua última morada na Indonésia, há cerca de 100 mil anos

Crânio do ‘Homem Dragão’ era bem maior do que a média do Homo sapiens

A cabeça havia sido descoberta em 1933, mas foi escondida pelos chineses da região de Harbin durante a colonização japonesa e ressurgiu em 2018, quando passou a a ser estudada por universidades da China.

O crânio desse ser tem 23 centímetros de comprimento e 15 centímetros de largura, o que significa que sua cabeça era bem maior do que a do homo sapiens. Por seu tamanho distinto, acredita-se que ele pode ser de uma nova espécie, diferente da Homo daliensis e do Homo heidelbergensis.

– Fóssil de 1 bilhão de anos esconde resposta sobre evolução dos animais

“É diferente o bastante para ser considerado de um espécie diferente”, afirmou Christopher Stringer, um paleoantropólogo do Museu de História Natural de Londres e co-autor de dois dos três estudos que se aprofundaram no crânio do “Homem Dragão”

“Eu prefiro chamá-lo de Homo daliensis, mas isso não importa muito. O que importa é que temos a comprovação de uma terceira linhagem de humanos que evoluíram dos neandertais e não são Homo sapiens como nós”, afirma o professor Xijun Ni, a paleoantropólogo da Universidade de Geografia e Geologia Hebei, na China.

A existência do “Homem Dragão” traz novos debates sobra a possibilidade de os humanos terem se originado dessas outras espécies. Entretanto, também pode ser um indício da teoria mais comum, a de que a Homo sapines dizimou outras espécies, como a Homo daliensis e do Homo heidelbergensis.

– Cientistas usam 3D e revelam imagens detalhadas sobre vidas mais antigas da Terra

“As análises genéticas mostram que essas espécies interagiram e cruzaram entre si – aliás, o nosso código genético mostra o legado dessas espécies que já desapareceram. Mas o que é importante, apesar de toda essa diversidade, é que o Homo sapiens que veio da África claramente superou seus competidores em todos os sentidos e extinguiu seus similares”, explica Mark Maslin, professor de sistemas da Terra da UCL.

Publicidade

Fotos: Ilustração: Chuang Zhao Foto 1: Gai Weo


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.