Debate

General da ditadura Newton Cruz, como Bolsonaro, também mandou repórter calar a boca

Redação Hypeness - 21/06/2021

O presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) mandou uma jornalista da TV Vanguarda, afiliada da TV Globo no Vale do Paraíba (SP), calar a boca. A cena relembrou o comportamento do general Newton Cruz em uma icônica entrevista de 1983, em que o militar manda o repórter Honório Dantas se calar e o agride na frente das câmeras.

– Felipe Neto não é 1º caso de censura contra críticos do governo Bolsonaro; veja lista.

Bolsonaro faz repeteco da ditadura e manda jornalista ‘calar a boca’

Questionado sobre não utilizar máscaras de proteção contra a covid-19, Bolsonaro manda a repórter da TV Vanguarda se calar enquanto ele fala:

Bolsonaro diz: “Olha, eu chego como eu quiser, onde eu quiser, eu cuido da minha vida. Se você não quiser usar máscara, não use. Agora, tudo o que eu falei sobre COVID, infelizmente, para vocês, deu certo. Cala a boca. Vocês são canalhas. Fazem um jornalismo canalha, vocês fazem. Canalha, que não ajuda em nada. Vocês não ajudam em nada. Vocês destroem a família brasileira. Destroem a religião brasileira. Vocês não prestam. A Rede Globo não presta. É uma péssima [sic] órgão de informação”, disse.

Relembre o vídeo da ditadura:

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro ofende diretamente jornalistas que questionam seus atos como presidente da República:

Em agosto do ano passado, questionado por um jornalista sobre os depósitos de Fábio Queiroz nas contas de sua esposa, Bolsonaro disse “a vontade é encher tua boca com uma porrada” a um jornalista da TV Globo.

Relembre: Bolsonaro ameaça jornalista e lembra general da ditadura militar: ‘Encher tua boca de porrada’

Em 2020, o presidente Jair Bolsonaro e seus filhos somaram 469 ataques contra jornalistas e veículos de comunicação que o questionaram ou criticam suas políticas, segundo dados da Repórteres Sem Fronteiras. O Brasil caiu duas posições no ranking de liberdade de imprensa desde que Bolsonaro chegou ao poder.

Dois dias após o Brasil atingir a marca de meio milhão de mortes por covid-19, o presidente não se pronunciou sobre o número.

É natural do autoritarismo a rejeição ao pensamento livre, ao questionamento e à liberdade de opinião. Bolsonaro, entretanto, não se sente ofendido em ser comparado com Newton Cruz, general que colaborou com o regime assassino da ditadura militar no nosso país. Para o presidente e seus seguidores, o autoritarismo que relegou o Brasil ao atraso e ao obscurantismo durante 21 anos foi positivo. Mas nossa missão é transformar. Como já diria o Dr. Ulysses: ódio e nojo à ditadura.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Twitter


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.


Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Ângelo, atleta da ginástica vítima de racismo, se defende de acusação de homofobia