Debate

Mafioso responsável por mais de 150 assassinatos é solto após 25 anos e causa preocupação na Itália

Vitor Paiva - 07/06/2021

Preso em 1996  como um dos mais temidos e sanguinários assassinos da história da chamada “Cosa Nostra”, como é conhecida a máfia do país, o o italiano Giovanni Brusca foi  condenado à prisão perpétua por seus mais de 150 assassinatos admitidos. A decisão de colaborar como informante com a polícia, porém, a partir do ano 2000, levou a justiça italiana a reduzir a pena de Brusca – que agora, após 25 anos de prisão e aos 64 anos, acaba de ser solto para se tornar um homem livre, em decisão que vem provocando horror e preocupação entre os tantos que tiveram amigos e familiares mortos pelo criminoso.

Giovanni Brusca sendo preso em 1996 pela polícia italiana

Brusca sendo preso em 1996 pela polícia italiana © Wikimedia Commons

-Surge a primeira imagem de Tom Hardy como o mafioso Al Capone

Brusca trabalhava para Totò Riina, um dos mais célebres e cruéis chefes da máfia italiana que morreu na prisão em 2017. Entre os muitos crimes cometidos por Brusca, dois se destacam pela gravidade e os requintes de crueldade: a explosão da bomba que matou o juiz Giovanni Falcone, que dedicou sua vida a prender a máfia do país, em 1992 – e que também tirou a vida da esposa e de três seguranças do magistrado – e mais ainda o assassinato do jovem Giuseppe Di Matteo, de apenas 11 anos.

O impacto da bomba que tirou a vida do juiz Giovanni Falcone, sua esposa e três seguranças em 1992

O impacto da bomba que tirou a vida do juiz Giovanni Falcone, sua esposa e três seguranças em 1992 © Wikimedia Commons

-Flechado em sua sauna, morte do ‘rei da linguiça’ intriga polícia russa

Filho de um mafioso que decidiu entregar outros criminosos, Di Matteo foi sequestrado em 1993, e mantido em cativeiro por dois anos, para ao fim ser estrangulado e morto – o corpo do jovem foi dissolvido em ácido, naquilo que a polícia do país chamou de “um dos mais hediondos crimes da história da Cosa Nostra”. Quando se tornou informante da polícia, o próprio Brusca se definiu como “um animal”, admitindo ter assassinado mais de 150 pessoas. “Eu nem lembro todos os nomes. Trabalhei minha vida toda para a Cosa Nostra”, disse.

Giovanni Brusca sendo preso em 1996

A cooperação de Brusca com a justiça levou à prisão de muitos outros homens da Cosa Nostra © Getty Images

-Fotografias históricas do casal de criminosos Bonnie e Clyde são expostas pela primeira vez

Políticos e vítimas da máfia declaram repúdio total à decisão da justiça de reduzir a pena de Brusca ao ponto de oferecer sua liberdade, lembrando que, não bastasse a gravidade dos crimes, o assassino não demonstrou repensado ou se arrependido das atrocidades que cometeu. “O estado está contra nós – depois de 29 anos ainda não sabemos a verdade sobre o massacre e Giovanni Brusca, o jhomem que destruiu minha família, está livre”, afirmou Tina Montinaro, esposa de um dos seguranças mortos no ataque à bomba, ao jornal La Repubblica.

Giovanni Brusca sendo preso em 1996

Brusca admitiu mais de 150 assassinatos quando se tornou colaborador da polícia © Getty Images

-Sobrinho de Pablo Escobar encontra R$ 100 milhões em antigo apartamento do tio

Tanto políticos de esquerda quanto de direita declararam repúdio à libertação de Brusca, que era apelidado dentro da máfia de “O Suíno” e “O matador”, em tradução livre. Segundo consta, as revelações oferecidas pelo criminoso levaram à prisão de diversos assassinos e chefões da Cosa Nostra, mas especialistas no caso afirmam que as revelações de Brusca são totalmente parciais. “Eu nunca o perdoarei, e não acredito que ele tenha dito toda a verdade”, comentou Luciano Traina, policial responsável pela prisão do assassino, e também irmão de outro policial assassinado pelo criminoso.

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutor em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Alexandre Garcia faturou R$ 70 mil com notícias falsas, diz estudo