Debate

Modelo alvo de racismo ouviu ofensas sobre cabelo: ‘Não dá pra colocar chapéu’

Redação Hypeness - 14/06/2021

“O que você consegue fazer nesse cabelo para ele diminuir?”, foi a pergunta que a modelo negra, Bruna Campos, de 27 anos, ouviu ao negociar um trabalho em São Paulo. De Itapetininga (SP), ela denunciou o racismo do responsável pela seleção da oportunidade, que aconteceria na capital, e publicou áudios da conversa. 

O funcionário da agência diz que Bruna seria “perfeita” para trabalhar como recepcionista de um evento em um restaurante, não fosse o volume de seu cabelo. “É lindo seu cabelo, combina com você, tudo certo, mas eu estou vendo para aquela casa, entendeu? Horário de almoço, de dia, a gente precisa ter alguma coisa mais discreta”, argumentou o homem, que disse ainda, “é que não dá para colocar um chapéu ou um boné”. 

– Farm lança cupom com nome de Kathlen e mostra insensibilidade com morte de jovem negra

– Vereador é preso pela polícia em Curitiba enquanto joga basquete e cita racismo

Bruna compartilhou partes da conversa que teve com o recrutador no WhatsApp

‘Meu cabelo é afro’

Bruna disse, em relato ao G1, que foi dela o interesse em participar do evento, que não tinha descrição sobre biotipo. A conversa para o processo seletivo aconteceu pelo WhatsApp, na quinta-feira (9). 

“Ele entrou em contato comigo pedindo fotos, perguntando minha altura, se eu teria disponibilidade para o trabalho, e foi quando ele perguntou do meu cabelo”, lembrou Bruna. Ela ressaltou ainda que, para o seletor, seu cabelo “chama muita atenção”, ao que a modelo respondeu: “Meu cabelo é afro”.

Bruna, que também é estudante de fisioterapia em Sorocaba (SP), se disse ofendida com o áudio, e começou a chorar ao ouvir a fala racista. “Eu não tive reação. A gente acha que está preparado para esse tipo de situação, mas é como se tivesse mexido na ferida. Eu comecei a chorar, não consegui responder. Só falei que esse era meu cabelo”, contou ao G1. 

Depois de sua defesa, via WhatsApp, o homem da agência de modelos afirmou que, “qualquer coisa, entraria em contato”. Já Bruna conseguiu reunir forças para contar sobre o episódio nas redes sociais. Por meio de seu Instagram, ela explicou que decidiu tornar o caso público para mostrar que ainda existe racismo na sociedade.

– Amanda Gorman se torna 1ª poeta a ser capa da revista Vogue

Após o tratamento que recebeu na seletiva, Bruna decidiu que não trabalharia no evento mesmo se fosse escolhida

“A maneira que ele se expressa sem um pingo de empatia. Qual a dificuldade de falar: ‘a gente gostou do seu perfil, mas teria problema de você colocar uma touca por ser restaurante?’ […] mas foi totalmente ao contrário e foi o que me surpreendeu”, argumentou a modelo. 

– Vogue fala sobre capa com vice-presidente Kamala Harris e acusações de branqueamento 

O apelo de Bruna alcançou muitas pessoas, incluindo os ex-bbbs Rízia Cerqueira e João Pedrosa, que também enfrentaram racismo por causa de seus cabelos crespos. A cantora Vanessa da Mata também repercutiu a história.

O pedido de desculpas

Diante da repercussão dos posts de Bruna, o funcionário da agência que estava fazendo o processo seletivo voltou a entrar em contato, dessa vez por telefone, para pedir desculpas pela maneira como se expressou. 

– DRUM contra o Apartheid: a história da ‘primeira revista africana de vidas negras’

Bruna falou sobre o ocorrido em nova entrevista ao G1. “Ele se desculpou, eu desculpei. Quem sou eu para não desculpar? Mas assim, pra mim, é um racismo e omissão. Ele falou, falou, falou, mas acho que ele não conseguiu identificar onde foi o erro dele”, disse. 

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.