Debate

Negacionismo: motoristas do Uber relatam ameaças e agressões por pedirem que passageiros usem máscara

18 • 06 • 2021 às 10:12 Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Em uma pandemia, o comportamento dos negacionistas ameaça indiretamente a vida de todos – mas alguns usam a própria ignorância como uma arma, expondo pessoas que cumprem os protocolos de segurança, e é isso que diversos motoristas do Uber pelo mundo vêm denunciando. A dificuldade de lidar com passageiros que se negam a usar máscara em alguns casos se tornou mais do que um problema ou uma chateação, mas um perigo concreto de exposição à doença, apesar das soluções efetivas oferecidas pelo app de transporte.

Passageira do Uber de máscara

O uso de máscara é norma dentro do Uber também para passageiros

-Deputado negacionista que insistiu em embarcar sem máscara é retirado de voo pela PF

Uma matéria na revista Huck relata uma série de ocorrências no Reino Unido em que os motoristas do Uber, que preferiram não ter seus nomes verdadeiros revelados, se viram ameaçados não só pela possibilidade de contágio, mas pela violência com que passageiros negacionistas se recusaram a vestir a máscara. “Ele gritava e me xingava. Eu tentei gravar a conversa com meu telefone, quando senti um forte impacto na cabeça. Depois que ele me chutou eu fiquei realmente assustado, mas ele saiu do carro e foi embora”, relatou um dos motoristas para a reportagem – que confirma que, embora a agressão física seja um extremo raro entre os relatos, as ameaças de violência se tornaram constantes.

Motorista de máscara

Alguns relatos revelam agressões físicas vividas pelos motoristas por negacionistas

-Uber decide punição de motorista que agrediu passageiras trans

Desde meados de 2020 que a Uber determinou que seus motoristas deveriam usar máscaras e cumprir protocolos de segurança – mas também os passageiros passaram a ter de obedecer às normas: assim como os passageiros, os motoristas também têm o direito de cancelar uma corrida no caso de se sentirem ameaçados. Para tal, o app passou a oferecer um mecanismo de segurança que pede aos passageiros que tirem uma selfie para comprovar o uso de máscara, a fim de constranger negacionistas e permitir o cancelamento por uma das partes, mas o instrumento tem eficácia parcial, já que o passageiro pode baixar ou mesmo retirar a máscara depois de entrar no veículo.

Motorista e passageiro de máscara

Abrir as janelas é também norma recomendada em veículos

-Máscara com nariz de fora rende eliminação de exame e prisão de candidato

Um caso se tornou mais célebre nos EUA por ter sido filmado: em São Francisco, na Califórnia, três mulheres não só se recusavam a usar a máscara, como se negaram a sair do carro após solicitação: uma delas tossiu propositalmente na direção do motorista, e ainda tentou arrancar seu telefone – nesse caso, uma prisão e uma investigação contra as passageiras foi aberta.

Uma reportagem da CNN detalhando o caso pode ser lida aqui, e a matéria da Huck com os relatos dos motoristas no Reino Unido pode ser lida aqui.

Publicidade

Canais Especiais Hypeness