Arte

Pabllo Vittar nasceu no Maranhão, foi atendente de telemarketing e cantou no ‘Amor e Sexo’; disco novo sai hoje

Vitor Paiva - 25/06/2021

A cantora Pabllo Vittar não é somente uma das mais populares artistas brasileiras hoje, mas uma verdadeira personagem histórica na luta LGBTQIA+ no Brasil e no mundo – não só por sua própria, livre e contundente afirmação, mas também como a drag queen mais seguida nas redes sociais em todo mundo, superando até mesmo artistas dos EUA, como Ru Paul e tantos mais. Pabllo acaba de lançar Batidão Tropical, seu mais novo disco, como uma das mais aguardadas novidades musicais do país, mas antes de lançar suas primeiras músicas e se tornar a maior artista drag da história do Brasil, Pabllo trabalhou como garota-propaganda e chegou a ser cantora da banda do programa Amor e Sexo, na Rede Globo.

Pabllo Vittar

Pabllo Vittar é hoje a artista drag mais popular do mundo em seguidores nas redes sociais – e segundo a revista Forbes © Instagram

-Pabllo Vittar faz show para rainha Elizabeth e diz: ‘Vai ter viado na ONU, sim’

Pabllo nasceu com nome de estrela, Phabullo Rodrigues da Silva, em 1993, na cidade de São Luis, no Maranhão, em 1993, e se felizmente o tema da identidade de gênero, homofobia e transfobia cada vez mais ganha espaço em meio ao debate nacional pela vida das tantas pessoas em tais comunidades no país, isso também se deve ao trabalho e ao sucesso da artista – reconhecida pela revista Forbes como “a drag queen mais popular do mundo” e pela revista Time, em 2019, como uma das líderes da próxima geração. Pabllo quis cantar desde pequena, e ganhou destaque em 2015, com o clipe da música “Open Bar”, misturando pop com samba em versão em português de canção “Lean On”, de Major Lazer.

A artista se mudou para São Paulo ainda com 16 anos e, em paralelo ao esforço para entrar no mercado da música, entregou panfletos para uma boate, trabalhou em salões de beleza, restaurantes, como operadora de telemarketing, chegando a ingressar no curso de design de interiores na Universidade Federal de Uberlândia, mas não chegou a concluir o curso.

Pabllo Vittar

Nascida no Maranhão, Pabllo sonhava em cantar desde pequena © Instagram

-Pabllo Vittar invade festa de fim de ano e canta em karaokê

Aos 17 anos entrou para o universo das drags, e em seguida começou a publicar vídeos como esforço para alcançar o sonho de cantar. O sucesso começou a ganhar âmbito nacional, porém, quando Pabllo passou a cantar regularmente em Amor e Sexo, apresentado por Fernanda Lima na Rede Globo, substituindo então o músico Leo Jaime na banda do programa – abaixo, a primeira vez que Pabllo cantando e chorando diante da mãe no palco do programa.

A participação se deu entre 2016 e 2017, quando Pabllo deixou a banda do programa para enfim começar a ganhar as paradas de sucesso nacional: no primeiro disco, Vai Passar Mal, constam os sucessos “Todo Dia”, “K.O” e “Corpo Sensual” – o disco alcançaria certificado de platina, bem como os dois trabalhos seguintes. Não Para Não, de 2018, teve a canção “Problema Seu” como carro-chefe, e a turnê de lançamento do disco ganhou dimensão internacional, com shows não só em todo Brasil, mas também no México, Inglaterra, EUA e Canadá.

Pabllo Vittar

A cantora se apresentando na Parada LGBTQIA+ em Nova York, em 2019 © Getty Images

-Biografia de Rita Von Hunty esmaga estereótipos de trajetória profissional de sucesso

O terceiro álbum da cantora, 111, de 2020 e também foi lançado pela Sony Music, com os singles “Timida” e “Rajadão”, e participação de Charli XCX, Ivete Sangalo, Thalía, Psirico e Jerry Smith – e também imenso sucesso internacional.

Ao longo de sua carreira, Pabllo Vittar misturou o pop com o forró, o arrocha, o technomelody e o funk carioca, e estrelou parcerias também com Anitta e Iggy Azalea, entre outros – e desde 2015 e até hoje conquistou 11 milhões de seguidores no Instagram, e centenas de milhões de visualizações em seus vídeos no Youtube.

Pabllo Vittar com Major Lazer e Anitta

Com Major Lazer e Anitta no clipe de “Sua Cara

-1ª drag queen foi ex-escravo que se tornou 1º ativista a liderar resistência LGBTQ nos EUA

“Batidão Tropical”, o novo disco da cantora, foi lançado no dia 24 de junho, trazendo mais influências de estilos brasileiros, e um primeiro single, “Ama Sofre Chora”, traz a artista vestida de noiva, e já conta com mais de 17 milhões de visualizações. O novo clipe, da música “Triste com T”, já foi anunciado no perfil da artista, e irá ao ar na sexta-feira, dia 25 de junho.

 

Um trecho do vídeo de “Triste com T” também foi pubicado nas redes de Pabllo, e pode ser visto abaixo. Já o futuro da mais popular drag queen do mundo pode ser visto reluzente e em destaque no horizonte da música pop brasileira – e do movimento LGBTQIA+ como um dos rostos dessa que é uma das mais importantes pautas políticas e sociais do país.

Pabllo Vittar

Post de lançamento do clipe do novo single, “Triste com T” © Instagram

-LGBTQIA+: no mês do orgulho (e o ano todo) apoie ONGs que fazem a diferença

Batidão Tropical” estará disponível na sexta-feira, dia 25 de junho, às 21h em todas as plataformas digitais.

Capa do novo disco da Pabllo Vittar

Capa do novo disco da Pabllo Vittar © Divulgação

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.