Diversidade

Pajubá: Rosetta Stone celebra mês do orgulho com lições sobre dialetos LGBTQIA+

Vitor Paiva - 22/06/2021

Junho é o mês do orgulho LGBTQIA+, e se a diversidade e a empatia devem ser linguagens universais, para celebrar o período e promover a conscientização e celebrar a luta pela inclusão de todo o movimento, a Rosetta Stone, empresa estadunidense de ensino de idiomas online, irá realizar uma campanha digital especial – com uma série de novidades e ações pela afirmação e a promoção da causa LGBTQIA+ em suas mais variadas frentes – e naquilo que diretamente pode tocar o universo do ensino de idiomas.

Campanha do orgulho LGBTQIA+ na Rosetta Stone

As postagens pelo mês do orgulho LGBTQIA+ na Rosetta Stone vão até o fim de junho

-LGBTQIA+: 7 projetos que lutam por diversidade e inclusão no mercado de trabalho

A campanha se dará nas redes sociais da Rosetta Stone, e começa com uma série de postagens lembrando as origens do Pajubá, dialeto criado no Brasil misturando português, nagô e iorubá para, durante a ditadura militar, servir como instrumento de comunicação e resistência entre membros da comunidade LGBTQIA+ de então. “A língua pode ser usada como forma de empoderamento e resistência. Queremos mostrar que o orgulho e o respeito também podem ser demonstrados por meio da comunicação”, afirmou Federico Queirolo, Head Global da empresa para o relacionamento com o consumidor.

Campanha do orgulho LGBTQIA+ na Rosetta Stone

O Pajubá é um dos idiomas “explicados” na campanha

Campanha do orgulho LGBTQIA+ na Rosetta Stone

Os posts contextualizam e trazem a origem do dialeto

-Orgulho LGBT: 50 músicas para celebrar o mês mais diverso do ano

Além de promover o Pajubá, a campanha também irá destacar destinos LGBTQIA+ friendly e oferecer dicas de comunicação inclusiva. Outros dialetos que, ao longo dos anos, também tiveram importância no contexto internacional da causa LGBTQIA+ se farão igualmente presentes na campanha – como o Gayle, que funcionou na África do Sul como uma espécie de “linguagem secreta” entre homens gays no país desde os anos 1950, e o Polari, que possui mesma atuação no Reino Unido, mas cujo a origem remonta ao século XIX, e possivelmente ao século XVI.

Campanha do orgulho LGBTQIA+ na Rosetta Stone

A origem do Pajubá remonta também aos terreiros de candomblé

Campanha do orgulho LGBTQIA+ na Rosetta Stone

A história das revoltas de Stonewall também é lembrada na campanha

-O que é a Pedra de Roseta, o mais importante documento arqueológico sobre o Egito Antigo?

A campanha irá até o dia 30 de junho, e também lembrará personalidades que historicamente tenham se destacado participando ou mesmo liderando momentos do movimento LGBTQIA+. “Além disso, o mês nos permite honrar a memória de pessoas que queriam falar e serem ouvidas da forma que são e de expressar sua identidade”, afirmou Queirolo. Estabelecida no mercado há cerca de 30 anos, a Rosetta Stone é uma empresa pioneira no ramo do ensino de idiomas online, com mais de 24 opções de língua e milhões de alunos em todo o mundo.

Campanha do orgulho LGBTQIA+ na Rosetta Stone

A Rosetta Stone também ofereceu um guia comportamental LGBTQIA+

-Diretor de arte colore fotos antigas em preto e branco de casais LGBT

A campanha pode ser seguida no perfil do Instagram da empresa aqui.

Campanha do orgulho LGBTQIA+ na Rosetta Stone

Cidades do mundo com histórico LGBTQIA+ friendly foram apontadas em posts

Publicidade

© fotos: reprodução/Instagram


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é mestre e doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Publica artigos, ensaios e reportagens, é autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Marta joga Olimpíadas sem patrocínio e escancara machismo no esporte