Debate

Pazuello fez jovem negro puxar carroça como punição, diz jornal

Redação Hypeness - 01/06/2021

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, está sendo denunciado na Procuradoria Militar por suas ações como tenente-coronel da 1ª Região Militar, em 2005, quando comandava o Depósito Central de Munições do Exército, em Pacarambi (RJ).

Conforme mostrou apuração do jornal O Estado de S. Paulo, Pazuello é alvo de investigação por humilhar um então soldado negro, de apenas 19 anos, que foi obrigado pelo general a substituir um cavalo e puxar uma carroça

-Como o Brasil se tornou o pior país na gestão da pandemia, segundo estudo

-Mandetta revela em CPI tentativa do governo de mudar bula da cloroquina

Pazuello é sendo investigado na CPI da Covid pela gestão desastrosa da pandemia como ministro da Saúde

Acusação de racismo 

O comando de Pazzuello, diz o Estadão, teria sido uma “punição” a dois soldados que estariam conduzindo a carroça em alta velocidade, e consequentemente, maltratando o cavalo. Superior em comando, ele mandou parar o transporte e trocar o animal por um dos soldados que o conduzia. O escolhido foi Carlos Vítor de Souza Chagas, que puxou o veículo com o outro soldado em cima, diante de um quartel às gargalhadas, segundo apurou o repórter Marcelo Godoy.

– Síndrome que acometeu Pazuello na CPI não é considerada doença

-Governo federal rejeitou 11 ofertas de vacina, incluindo da Pfizer, afirma blog

Em entrevista ao Estadão, Chagas diz que acredita ter sido vítima de racismo por parte de Pazuello. “Pelo meu tio eu botava para frente (na Justiça), mas eu dei mais ouvido ao meu pai, que é evangélico, por medo de represália. Isso aí agora está nas mãos de Deus, Ele é o Senhor de todas as coisas”, disse o ex-soldado.

Pauzello, general da ativa, esteve em palanque político ao lado de Bolsonaro. Exército proíbe tal manifestação

Ainda de acordo com o jornal, Pazuello era um militar com fama de duro na 1ª Região Militar, onde serviu. Lá, tinha o costume de humilhar os soldados e era investigado por desvio de munição excedente, no Depósito de Munições, para ser vendida como sucata. Após a sua ação contra Chagas, chegou a responder um inquérito policial militar, mas o caso foi arquivado. Na época, Pazuello argumentou que o outro soldado estava com o ombro machucado e por isso “não poderia cumprir a ordem de puxar a carroça”.  

Na ocasião, a defesa de Pazuello pontuou que o tenente-coronel tratava os subordinados com “seriedade e dignidade”, além de ter utilizado depoimentos de outros militares, atestando que ele não quis maltratar o soldado. Outro trecho da defesa assinala que o militar “demonstra sua familiaridade com animais, principalmente, seu amor aos equinos”. Segundo os defensores, a intenção de Pazuello ao agir assim foi a de “orientar” o soldado “para a preservação da boa saúde dos cavalos de tração utilizados na OM (Organização Militar)”, e não “humilhá-lo”.

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Alexandre Garcia faturou R$ 70 mil com notícias falsas, diz estudo