Sustentabilidade

Planta que aponta para origem da Mata Atlântica pode sumir para sempre

Redação Hypeness - 09/06/2021 | Atualizada em - 11/06/2021

Parente direta das laranjas, tangerinas e limões, uma espécie de planta descoberta recentemente pode apontar para a origem da Mata Atlântica, há milhares de anos. Assim, a família Rutaceae ganhou as irmãs Dryades, numa homenagem as Dríades, ninfas da floresta da mitologia grega. Mas não é só por aí que acaba a referência na Grécia.

Lá no século XIX, quando o botânico alemão Carl Friedrich Philipp von Martius fez expedições pelo Brasil, nomeou o domínio da Mata Atlântica de Dríades. O nome da nova espécie traz também uma celebração aos 201 anos dessa viagem que trouxe descobertas importantes para as áreas de botânica, zoologia e etnografia.

Até então, as Dryades faziam parte do gênero Conchocarpus, mas em um estudo liderado pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, foi identificado que elas compõe um gênero completamente novo.

Segundo o professor Milton Groppo, do Departamento de Biologia da FFCLRP, líder do estudo, é possível entender a formação de ambientes através do DNA das plantas. E mais: pode auxiliar na construção de áreas de conservação de todo o tipo de espécie, seja animal ou vegetal.

Quando falamos das Dryades, existem duas espécies que podem evitar a extinção: as Dryades concinna e Dryades hirsuta. Ambas vivem onde todos gostaríamos de estar, na Bahia. Mas precisamente ao sul, em Itacaré e Ilhéus.

“Plantas não melhoradas geneticamente, como estas do gênero Dryades, podem conter princípios ativos com potencial de utilização como defensivos agrícolas naturais, pois podem fornecer genes para plantas cultivadas que passam a ser mais resistentes às pragas ou ainda genes que poderiam aumentar a produtividade. As linhagens de batatas selvagens dos Andes são um bom exemplo de plantas utilizadas no melhoramento genético da batata que consumimos”, conta o professor ao Jornal da USP.

A devastação e possível extinção não acontece só no caso das Dryades. O bioma como um todo vem sofrendo com o desmatamento há séculos. Segundo a Fundação SOS Mata Atlântica, o que vemos hoje representa 17% da vegetação original.

Um dos animais que ilustra nossas cédulas, o mico-leão-dourado, está na nota de R$ 20 desde 2002 para falar sobre seu risco de extinção. Isso se deve, entre outros motivos, à proporção ínfima do bioma na região fluminense ao qual pertence que está quase acabando. As Dryades parecem do mesmo mal. Nos resta torcer que a nova descoberta estimule a preservação do pouco que nos resta da mata.

Publicidade

Fotos Dryades: Milton Groppo/Divulgação
Fotos Mata Atlântica: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Contato com árvores ajuda quem quer parar de fumar, aponta estudo