Debate

Polícia Federal investiga professores por falas antifascistas

Redação Hypeness - 11/06/2021

Dois professores da Universidade Estadual do Ceará estão sendo investigados por se declararem contra o fascismo durante as eleições presidenciais de 2018. Denunciados por alguns alunos cristãos da faculdade com base em um artigo do Código Eleitoral, eles terão de prestar depoimento à Polícia Federal por terem se manifestado seres antifascistas.

– Antifascismo: 10 personalidades que lutaram contra a tirania e você deveria conhecer

Imagem do processo mostra acusação contra professores por serem antifascistas

Resumidamente, os professores deram uma aula pública no ano de 2018 explicando a natureza do fascismo e comparando as falas do então candidato à Presidência Jair Bolsonaro com as atitudes de líderes fascistas como Hitler e Mussolini.

Alguns alunos apoiadores de Bolsonaro se sentiram intimidados e mvoeram uma ação contra os professores com base no artigo 301 do Código Penal, que proibe “usar de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar, ou não votar, em determinado candidato ou partido, ainda que os fins visados não sejam conseguidos”.

Os alunos ainda afirmam que foram ameaçados em grupos de Whatsapp por manifestarem voto em Jair Bolsonaro.

Relembre outras intimidações contra inimigos do governo Bolsonaro:

– Censura: CGU propõe que professor fique 2 anos sem criticar Bolsonaro para ter processo suspenso

– Bonner e Renata são intimados a depor após censura na Globo em caso de Flávio Bolsonaro e Queiroz

– Bolsonaro ameaça jornalista e lembra general da ditadura militar: ‘Encher tua boca de porrada’

– ‘Detratores’: veja nomes de jornalistas e influencers em lista de monitoramento do governo

Agora, os professores terão de depor à PF: “O suposto crime seria uma perseguição a pessoas que teriam identidade com o movimento bolsonarista. Porque, na verdade, os professores não tinham nenhuma preferência politico-partidária no que diz respeito às eleições, mas alguns deles deram aulas e palestras tratando de democracia, antifascismo e das questões legais e históricas que envolveram o período do fascismo e nazismo”, comenta a advogada Daniella Alencar, que defende os professores, ao G1.

“Por conta disto, esses alunos [denunciantes] se dizem perseguidos por essas aulas e palestras que os professores estavam proferindo naquele momento de eleição”, complementa Daniella.

– Felipe Neto anuncia frente de advogados para defender críticos contra processos de Bolsonaro

Os professores afirmam que sequer declararam seu voto durante a aula e que não existiu coerção a voto de forma alguma. A Universidade Estadual do Ceará enviou uma nota apoiando os professores.

“Nesse contexto, a UECE manifesta incondicional apoio institucional aos professores e aos estudantes que estão sendo alvo dessa intimação que fere a liberdade de expressão e de ‘aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber’ (Constituição Federal, Art. 206)”, afirma.

Publicidade

Fotos: Destaques: © Getty Images Foto 1: Reprodução/Reprodução/G1


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
‘Essa bicicleta é minha’: racismo no caminho de jovem negro no Dia dos Namorados