Debate

Prefeitura de SP apoia PL de abstinência sexual como método contraceptivo para adolescentes

Redação Hypeness - 15/06/2021

O projeto de lei que preconiza a abstinência sexual como método contraceptivo para adolescentes deverá ser votado nesta quinta-feira (17), na Câmara Municipal de São Paulo. Criado com base no programa Escolhi Esperar pelo vereador  Rinaldi Digilio (PSL), a proposta quer “somar ao leque de políticas públicas a prevenção primária” à gravidez.

A prefeitura da capital paulista emitiu parecer favorável ao texto, que tem como relator o vereador Fábio Riva (PSDB). Se aprovado, após votações em duas fases, o texto seguirá para a sanção do prefeito. Na primeira votação, o texto passou com uma proposta de uma semana de conscientização, ao invés de um programa permanente que passasse a mensagem da abstinência, o que levou os vereadores da oposição a votarem a favor.

Leia mais: Brasil deveria incentivar educação sexual, não abstinência

Texto de São Paulo diz que jovens continuarão com acesso a camisinha

“O adolescente e a adolescente continuarão a ter acesso a camisinhas, anticoncepcionais, DIU e todos os métodos contraceptivos, mas também terão orientação por palestras ou individualmente, feitas por profissionais da saúde, para alertar para os riscos da gravidez precoce, que é consequência de relações sexuais precoces”, lê-se na projeto. 

– Para ministra Damares, Frozen é lésbica: ‘Vive sozinha em seu castelo de gelo’

Já na segunda votação, entretanto, um texto substitutivo determina a criação de palestras de orientação para funcionários da prefeitura, divulgação de material explicativo para adolescentes e atividades para o público-alvo, além do “monitoramento de possíveis casos para avaliação e cuidado”, sem detalhamento de que “casos” seriam “monitorados”.

Damares e governo federal 

Em janeiro de 2020, uma proposta do governo federal com o objetivo de “mostrar aos jovens os benefícios de adiar o início da vida sexual”, não foi para frente. A estratégia de marketing para divulgar o que o governo chama de “iniciação sexual não precoce” foi desenhada pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, liderado por Damares Alves, e teria foco inicial nas redes sociais. 

Campanha de Damares não ganhou grande repercussão

– ‘Brasil não pode ser país do mundo gay. Temos famílias’, diz Jair Bolsonaro

O conteúdo chegou a ser divulgado mas, como esperado, não passou de um delírio. Para especialistas, o grande problema na prevenção da gravidez precoce no Brasil é o conservadorismo, que insiste em encarar a vida sexual como um tabu, algo misterioso e até proibido. 

Para se ter ideia dos efeitos da recusa ao debate, pesquisas mostram que 16 mil crianças morrem todos os dias, como consequência desse descuido com o planejamento familiar e ausência de educação sexual, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), de 2014.

Publicidade

Foto 1: Getty Images
Foto 2: EBC


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.


Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Idoso aceita nota falsa de R$ 420 e devolve R$ 320 de troco a golpista