Debate

Professores homens usam saias para protestar contra a expulsão de aluno na Espanha

Redação Hypeness - 07/06/2021 | Atualizada em - 09/06/2021

A educação vai nos fazer chegar mais longe e abandonar antigos padrões limitadores. Os professores de uma escola na Espanha fizeram um protesto em solidariedade a um aluno expulso no ano passado por ir às aulas usando saia. Os docentes então apareceram na classe vestindo também a peça de roupa, falando sobre gênero e respeito.

Tudo isso faz parte do movimento Clothes Have No Gender (#roupanãotemgenero), que visa acabar com as normas estereotipadas de gênero no país europeu.

Ortega (esquerda) e Velázquez (direita) estão lutando contra os estereótipos de gênero

Ortega (esquerda) e Velázquez (direita) estão lutando contra os estereótipos de gênero

O movimento estava em seu momento mais alto no final de outubro e início de novembro de 2020, mas recentemente ganhou atenção renovada na vida real, online e na mídia, à medida que mais professores se juntaram ao protesto.

No início de maio de 2021, Manuel Ortega, 37, e Borja Velázquez, 36, começaram a frequentar as aulas vestidos com saias, em resposta a um caso de bullying na escola primária Virgen de Sacedon na cidade de Valladolid, onde trabalham.

O professor Borja Velázquez, junto com seu colega de trabalho Manuel Ortega, reacendeu o movimento "Clothes Have No Gender" após o incidente.

O professor Borja Velázquez, junto com seu colega de trabalho Manuel Ortega, reacendeu o movimento “Clothes Have No Gender” após o incidente

Neste caso particular, um menino foi intimidado por usar um moletom de anime, teve que suportar calúnias homofóbicas e tirou a peça de roupa. Assim, ambos decidiram se juntar ao movimento “Clothes Have No Gender”, usar saias para ministrar suas aulas e ensinarem seus alunos sobre tolerância, respeito e diversidade.

De acordo com Velázquez, que falou com o El Pais, eles queriam ensinar às crianças que as palavras machucam e que é preciso mudar. Afirmaram ao veículo de imprensa que os meninos são livres para brincar de cozinha ou ter cabelos longos e as meninas cabelo curto e gostar de futebol.Algumas das coisas que eles ensinaram a seus alunos incluem que não há problema para os meninos estarem na cozinha ou ter cabelo comprido, mas também é perfeitamente normal que as meninas amem futebol e tenham cabelo curto

Esta é “a ponta do iceberg”, afirmam, e deve ser complementada com mais ações do gênero. O colégio conta com um espaço violeta para ilustrar condutas tóxicas nas relações, com um kit da não-violência, criado pelos estudantes. Ali são encontrados medicamentos como “band-aids para o respeito” ou “esparabraços”.

Em outro colégio espanhol, o professor José Piñas foi um dos primeiros a mostrar solidariedade no trabalho no outono de 2020, depois que um aluno foi expulso por usar saia. O estudante Mikel Gómez, de 15 anos, foi expulso de sua escola em Bilbao e chegou a ser encaminhado a psicólogos durante a aula por usar saia.

O jovem compartilhou o ocorrido em um vídeo que acabou viralizando no TikTok:

@mikelgmzNo me daba tiempo a contarlo todo☠️#parati♬ original sound – Mikel Gómez

De acordo com o vídeo, Gómez fez isso para apoiar o movimento feminista e pessoas trans e se levantar contra o bullying – além do mais, era uma peça que ele tinha vontade de usar e ponto. Depois de ser postar o vídeo denunciando a escola, ele fez com que centenas de meninos usarem saias em protesto.

No início de novembro, estudantes e professores do sexo masculino em toda a Espanha se solidarizaram com Gómez e contra o ódio usando roupas femininas estereotipadas. O movimento iniciou um debate acirrado na Espanha entre educadores e pais que continua até hoje.

Publicidade

Destaque: Javier Álvarez


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.