Debate

Tour de France e o machismo na ausência de uma versão feminina da maior prova do ciclismo mundial

Vitor Paiva - 11/06/2021 | Atualizada em - 15/06/2021

O Tour de France começou em Paris, em 1903, para se tornar ao longo dos anos a mais importante competição do ciclismo mundial – e se, de lá pra cá, muita coisa mudou, um lamentável aspecto permanece igual: o machismo e o sexismo na forma de tratar as atletas mulheres do esporte. Foram necessários mais de 80 anos desde a primeira corrida de bicicletas para que enfim a competição ganhasse uma versão feminina, que só ocorreu em 1984 – e mesmo essa sofreu ataques, foi descontinuada e rapidamente deixou de existir.

Primeiro Tour de France em 1903

A partida da primeira edição da corrida, em 1903

-Ativistas do pedal feminino negro emprestam bikes para quem precisa trabalhar na pandemia

No primeiro ano do Tour de France Féminin, 60 atletas participaram – em comparação aos 170 homens que correram no mesmo ano de 1984 – e a competição rapidamente se mostrou dividida entre a equipe holandesa e a dos EUA. Enquanto a corrida se aguçava ao longo dos dias, a imprensa francesa não media críticas (nem o machismo) ao prever que a modalidade feminina deveria deixar de acontecer: Laurent Fignon, vencedor do ano anterior, chegou a declarar que gostava de mulheres, mas que preferia que elas “fizessem outra coisa”.

Largada do Tour de France feminino de 1984

Largada do Tour de France feminino de 1984

-Bicicleta: 9 dicas (e equipamentos) para pedalar com segurança e conforto

Aos poucos, porém, conforme a atleta estadunidense Marianne Martin foi se superando e se destacando ao longo da corrida, a imprensa dos EUA começou a noticiar o feito – que ganhou as páginas do New York Times, e aos poucos o coração da torcida por toda a França onde a corrida passava. Marianne venceu a prova em pleno Arco do Triunfo, e dividiu o pódio com o mesmo Fignon, autor da infeliz máxima machista. O prêmio, porém, definitivamente não foi dividido: enquanto ele levou 225 mil dólares pra casa, ela levou somente 1 mil.

Marianne Martin junto da equipe feminina dos EUA na corrida

Marianne Martin junto da equipe feminina dos EUA na corrida

-Estes são os 4 melhores países do mundo para ciclistas e suas bicicletas

A falta de incentivo e de investimento fez com que a versão feminina do Tour de France durasse somente mais alguns anos, e deixasse de acontecer após 1989 – outra competição similar, intitulada La Grande Boucle, chegou a ocorrer nos anos 1990, mas os velhos argumentos de diferença na força e na atração de patrocinadores em relação aos homens – posições que simplesmente escondem o mais claro e evidente sexismo – fizeram com que essa outra corrida de bike também tivesse vida curta.

Marianne Martin e Laurent Fignon no pódio do Tour de France em 1984

Marianne Martin e Laurent Fignon no pódio em 1984

-Gustaf Håkansson, o ‘vovô de aço’ que venceu uma corrida de bike de 1.600 Km

Se o mundo do ciclismo é ainda especialmente marcado pelo machismo, uma boa notícia ao menos está prometida para o Tour de France do ano que vem: para 2022 o organizador da competição, Christian Prudhomme, confirmou que a corrida entre mulheres voltará a acontecer – mas a condicionante financeira segue imperando para o futuro da competição. “O que queremos é criar uma corrida que permanecerá, que sobreviverá ao teste do tempo – isso quer dizer que a corrida não pode dar prejuízo”, admitiu Prudhomme.

Jeannie Longo, vencedora da corrida em 1987

Jeannie Longo, vencedora da corrida em 1987

Publicidade

© fotos: Messy Nessy/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutor em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Crivella embaixador na África do Sul? O que se sabe sobre movimento de Bolsonaro