Sustentabilidade

Amazônia emite mais gás carbônico do que absorve; processo de degradação é inédito

Redação Hypeness - 21/07/2021 | Atualizada em - 22/07/2021

Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (INPE) confirma que o quadro de desmatamento e degradação ambiental na Amazônia levou a situação a um trágico e inédito patamar: hoje a floresta emite mais carbono do que é capaz de absorve.

De acordo com o estudo publicado na revista Nature no último dia 14 julho, atualmente a maior floresta tropical do mundo se tornou não mais um filtro, mas sim, por conta das queimadas, uma fonte de emissão de carbono na atmosfera: sim, o impacto da ação humana sobre a Amazônia é tamanho que hoje a floresta polui o planeta.

As queimadas transformaram a Amazônia de filtro em poluente, diz estudo

As queimadas transformaram a Amazônia de filtro em poluente, diz estudo

-Desmatamento na Amazônia está matando a maior águia do mundo de fome

Segundo Luciana Vanni Gatti, uma das autoras do estudo intitulado “Amazonia as a carbon source linked to deforestation and climate change” (Amazônia como fonte de carbono ligada ao desmatamento e às mudanças climáticas, em tradução livre), atualmente a floresta emite 0,29 bilhão de toneladas de carbono anuais a mais do que é capaz de absorver.

Se o cálculo parte do efeito direto das queimadas e do desmatamento sobre a saúde e a capacidade de filtragem que a floresta sempre possuiu, o estudo também aponta outro preocupante impacto que vem tornando a Amazônia em fator poluente.

desmatamento na Amazônia

O desmatamento é parte grave do quadro comprovado na região

-Árvores passaram a ter uma vida mais curta e isso é preocupante, segundo cientistas

O desmatamento e as queimadas têm como efeito indireto a redução das chuvas nas determinadas regiões, em fenômeno que faz com que a temperatura se eleve em até 2ºC na região nordeste e 2,5ºC.

Tal fenômeno afeta diretamente o processo de fotossíntese na floresta, fazendo com que as árvores acabem emitindo mais carbono a fim de compensar o desequilíbrio inicial. A redução das chuvas que agrada o quadro do carbono acontece principalmente entre agosto e outubro, período de seca na região, e em especial na região sudeste da floresta, onde se concentra os mais agravados cenários de desmatamento.

Amostras de ar para estudo inédito

Com a redução da fotossíntese, as árvores simplesmente param de absorver os gases e passam simplesmente a emitir poluição. Essa é a primeira vez que tal inversão é comprovada em estudo científico, e o estudo se valeu de uma nova e mais eficaz metodologia para medir o quadro: ao invés de medir a emissão de carbono a partir do tronco das árvores, o novo estudo foi direto ao ponto. A nova metodologia mediu o gás carbônico diretamente na atmosfera, medindo no ar da região a presença do CO2.

Queimada à beira de estrada na Amazônia paraense

Queimada à beira de estrada na Amazônia paraense

Publicidade

© fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.