Debate

Ângelo, atleta da ginástica vítima de racismo, se defende de acusação de homofobia

Yuri Ferreira - 29/07/2021

Um jovem atleta negro que treinou com Ângelo Assumpção no Clube Pinheiros denunciou o atleta, que foi diversas vezes vítima de racismo dentro da instituição, por homofobia. Segundo o denunciante, Ângelo teria feito comentários de cunho homofóbico contra o adolescente durante cinco anos.

– Rebeca Andrade vence 1ª medalha olímpica da ginástica feminina com ‘Baile de Favela’ e celebra mulher negra 

angelo e nory

Artur Nory (esq.) fez comentários racistas contra Angelo Assumpção (dir) enquanto treinavam juntos; caso tem repercussão até hoje por revelar racismo dentro do mundo da ginástica

“Eu realmente ficava mal com os apelidos (o atleta diz que era chamado de Rebeca Blackout e Leona, nomes que faziam referência a um garoto negro, gay, que se prostituía nas ruas de Salvador, cujo vídeos viralizaram há anos) e falava que não era parecido, que não tinha semelhança nenhuma, mas ele afirmava que era só questão de tempo pra eu me descobrir. Eu acompanhei o Ângelo de 2014 até 2019, o dia que ele foi desligado do clube! Em todos esses anos os apelidos sempre continuaram”, publicou o jovem.

Com 25 medalhas, Simone Biles dá um bico no racismo e entra para história

O atleta de 17 anos ainda afirma que não foi Artur Nory o responsável pela demissão de Ângelo do Clube Pinheiros. Segundo reportagem do jornal O GLOBO, as acusações foram registradas no Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) da Federação Paulista de Ginástica, no processo em que Assumpção move contra a antiga equipe.

Entenda: Ginasta brasileiro nas Olimpíadas, Arthur Nory volta a falar sobre caso de racismo: ‘Errei e assumi’ 

Ângelo se defendeu das declarações. “Eu desconheço estas acusações que vieram à tona no final de semana. Fiquei surpreso e chocado com estas acusações, até porque não compartilho com este tipo de comportamento retrógrado – desativei meu perfil no twitter para não ficar lendo um bombardeio de julgamento de pessoas que não conhecem a história. Eu sei que é ser discriminado, eu sei que eu passei, e só eu sei o que estou passando. Eu não tenho e nunca tive problemas com o (atleta de 17 anos). Eu sempre tive um bom relacionamento, não só com ele, mas com todas as pessoas do clube. Nunca tive qualquer tipo de desavença ou falta de respeito com qualquer pessoa, dentro ou fora do clube”, disse.

 

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.