Ciência

Astrônomo amador usa dados de 2003 para descobrir Lua de Júpiter

Gabriela Rassy - 28/07/2021 | Atualizada em - 29/07/2021

Um astrônomo amador descobriu uma lua até então desconhecida ao redor de Júpiter depois de estudar as imagens de um antigo telescópio. Uma grande inovação!  “Tenho orgulho de dizer que esta é a primeira lua planetária descoberta por um astrônomo amador!”, disse o pesquisador lunar Kai Ly em um relatório da Sky and Telescope que detalha a descoberta.

Júpiter pode ter dezenas ou mesmo centenas de luas desconhecidas orbitando ao seu redor. Este enorme planeta possui um campo gravitacional substancial que lhe permite capturar detritos espaciais em sua órbita.

Astronomo amador usa dados de 2003 para descobrir Lua de Júpiter

Astrônomo amador usa dados de 2003 para descobrir Lua de Júpiter

Júpiter atualmente hospeda pelo menos 79 luas – e o número continua a crescer. A última descoberta foi esta feita por Ly, um astrônomo amador, e é a última adição ao catálogo do grupo Carme de satélites Jupiterianos.

Carme e sua equipe são pequenas rochas espaciais de formato estranho. Eles orbitam na direção oposta à rotação de Júpiter – um fenômeno chamado retrógrado – e o grupo viaja ao redor de Júpiter em uma inclinação extrema em relação ao plano orbital do planeta gigante, de acordo com a NASA.

Carme é o maior do grupo, com um raio médio de 14 milhas (23 quilômetros). Carme é a rocha-mãe da descoberta do astrônomo amador e dos outros 22 membros conhecidos do grupo. Os astrônomos pensam que Carme foi um asteróide capturado pela gravidade de Júpiter, e que seu grupo são os pedaços que se desprenderam após uma colisão cósmica.

Ly fez sua descoberta olhando online para um conjunto de dados de 2003 que tinha sido coletado por pesquisadores da Universidade do Havaí usando o telescópio Canadá-França-Havaí (CFHT) de 3,6 metros.

Ly prestou atenção especial às imagens coletadas em fevereiro daquele ano, quando as luas estavam aparentemente mais brilhantes. Isso foi causado por um fenômeno conhecido como oposição, quando o sol e um determinado planeta aparecem em partes opostas do céu da Terra.

Nosso planeta natal estava situado no meio de uma linha entre o Sol e Júpiter em fevereiro de 2003, permitindo que os astrônomos da Terra vissem claramente o sistema de Júpiter iluminado pela estrela.

Ly usou observações de outro telescópio chamado Subaru para estabelecer o arco de 22 dias do objeto, que mostrou que a lua candidata provavelmente estava ligada à gravidade de Júpiter. Essa linha de base permitiu que eles encontrassem e confirmassem a existência da lua com outros conjuntos de dados também.

No artigo Space and Telescope, Ly descreveu a emocionante descoberta como “um hobby de verão antes de eu voltar para a escola”.

Esta rocha é atualmente designada EJc0061, mas ainda não tem um nome formal. Quando isso acontecer, provavelmente terminará com a letra e, como Carme. Quando oficiais da NASA explicaram o apelido de Carme, eles disseram que “um nome terminado em ‘e’ foi escolhido de acordo com a política da União Astronômica Internacional para designar luas externas com órbitas retrógradas.”

Publicidade

Fotos destaque: Getty Images


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.