Futuro

Canadá não está preparado para calor extremo que já matou mais de 500 pessoas

Vitor Paiva - 05/07/2021

A onda de calor sem precedentes que vem castigando o Canadá desde a semana passada já tirou a vida, segundo estimativas oficiais, de mais de 500 pessoas nas diversas regiões afetadas no país. Os especialistas confirmam que o trágico fenômeno é efeito das mudanças climáticas, com uma cidade como Vancouver, por exemplo, alcançado temperaturas recorrentes acima de 30ºC, superando com folga os 21ºC médios registrados historicamente nessa época do ano – em quadro que comprava que um país que sabe bem como contornar o frio como o Canadá não está pronto para enfrentar situações de calor extremo como a atual.

População procura se refrescar nas ruas de Vancouver

População procura se refrescar nas ruas de Vancouver © Getty Images

-Este é o lugar mais quente da Terra com temperaturas que já chegaram aos 70ºC

Em Vancouver, na região oeste do país, a temperatura atingiu marcas de 49,5ºC na terça-feira passada, com 233 notificações de morte súbita possivelmente relacionadas ao calor. O preocupante recorde até aqui, no entanto, se deu oficialmente na pequena cidade montanhosa de Lytton, que tinha 250 habitantes na província de Columbia Britânica, marcou com 49,6ºC a maior temperatura registrada na história do Canadá – 90% da cidade foi destruída por queimadas florestais, e o local praticamente desapareceu nos últimos dias – vale lembrar que a temperatura média nas montanhas da região costuma ficar nessa época do ano em torno dos 25ºC.

Fumaça ao fundo mostra os incêndios que vem destruindo a pequena cidade de Lytton

Fumaça ao fundo mostra os incêndios que vem destruindo a pequena cidade de Lytton © Jennifer Gauthier/Reuters

-Ondas de calor te deixam mais burro, aponta estudo

Especialistas sugerem que o quadro não só pode se agravar, como serão recorrentes, e passarão cada vez mais a acontecer anualmente. A Environment Canada, sistema meteorológico da costa oeste canadense, registrou nada menos que 103 recordes de temperatura quebrados entre as províncias da Colúmbia Britânica, Alberta, Yukon e Territórios do Noroeste ao longo da semana passada: em regiões onde as casas não estão preparadas para o calor, não possuem ar condicionado e houve falta de ventiladores à venda, a população mais idosa foi a mais afetada pela onda, sendo maioria entre os óbitos registrados.

Incêndio em Lytton, no Canadá

Os incêndios destruiram 90% da região de Lytton © Reprodução

-Maior da história, aquecimento de oceanos equivale a 3 bilhões de bombas de Hiroshima

Em Montreal foram registradas 12 mortes recentemente por consequência das temperaturas, que superaram 34ºC, com sensação térmica de 40ºC. No inverno, Montreal supera temperaturas de 20 graus negativos com frequência, e a cidade é de tal forma preparada para o emblemático frio que costuma ser uma espécie de símbolo do país, que possui um imenso complexo de corredores e construções subterrâneas. Montreal possui uma verdadeira duplicata da cidade debaixo da terra, com mais de 32 quilômetros de corredores com lojas, apartamentos, hotéis, restaurantes e escritórios para poderem fugir do frio – mas não há alternativa para o inesperado calor extremo.

Os incêndios na Columbia Britânica podem ser vistos à distância

Os incêndios na Columbia Britânica podem ser vistos à distância © AP

-Lacútia: uma das regiões mais frias da Rússia é feita de diversidade étnica, neve e solidão

“Mantenho contato com os que perderam um ser querido nesta onda de calor. As altas temperaturas vão se manter no centro e no leste do Canadá, de modo que se assegurem de se proteger e de proteger suas famílias”, escreveu o primeiro-ministro Justin Trudeau no Twitter. A temperatura começou a reduzir no final de semana e espera-se que amenize nos próximos dias, mas a atualização dos números oficiais deve ampliar ainda mais a lista de óbitos por conta do calor na região.

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é mestre e doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Publica artigos, ensaios e reportagens, é autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
SP tem mais prédios do que casas pela 1ª vez, aponta estudo; tendência é de alta